Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

Novas provas novo prazo

Se, em prol da qualidade da Justiça, forem necessários mais 30 ou 45 dias para avançar com a acusação a José Sócrates, daí não virá qualquer nódoa adicional sobre a imagem de Portugal enquanto Estado de Direito.

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 14 de Março de 2017 às 00:32
Se, em prol da qualidade da Justiça, forem necessários mais 30 ou 45 dias para avançar com a acusação a José Sócrates, daí não virá qualquer nódoa adicional sobre a imagem de Portugal enquanto Estado de Direito.

Claro que o Ministério Público não deve ser uma encarnação de Penélope, a cerzir argumentos e indícios, para logo desfazer a construção e começar outra. A pena para qualquer criminoso deve começar após um julgamento justo e não num limbo eternizável na fase de inquérito.

Aceite este princípio, que sendo do Direito, é também do senso comum, voltemos à ideia inicial. O surgimento de mais factos graves, nos últimos meses, traz novos contornos aos fortes indícios de corrupção passiva que impendem sobre o ex-primeiro–ministro. É preciso esmiuçá-los. Mas em prazo razoável.

Que a procuradora-geral, avaliadas as matérias em causa, prorrogue o prazo por si estabelecido, será muito menos grave do que ver uma acusação atamancada, ou – pior ainda – assistirmos à queda de Joana Marques Vidal, por pressão dos suspeitos de graves crimes de corrupção.

A PGR não pode cair por uma sua esforçada equipa precisar de mais uns dias para análise de documentos e última ronda de interrogatórios. Se são necessários mais 45 dias para consolidar a acusação, que assim se determine.
Olhar CM Octávio Ribeiro opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)