Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Olhar CM

O juiz penitente

Um juiz de grande qualidade técnica, inteligência e habitual hombridade cometeu vários erros na noite.

Olhar CM 12 de Julho de 2015 às 00:30
Um juiz de grande qualidade técnica, inteligência e habitual hombridade cometeu vários erros na noite. Não é razão para o País rasgar as vestes.

Os juízes são gente como nós. Respondem perante as leis que interpretam e aplicam. No seu estatuto natural, cada juiz é um átomo de soberania, há especiais prerrogativas que visam defender a necessária independência para o exercício das suas funções.

Ao juiz António Alberto, com a devida vénia, aconselho a leitura do epifânico livro ‘A Queda’, de Albert Camus.

E, permita-me, meritíssimo, agradecer-lhe, relatadas por quem o conhece bem, a coragem e sabedoria que tem emprestado a cada decisão sobre a vida do próximo. Não desista! Boa sorte.

Clique para aceder ao texto que deu origem a esta opinião: Juiz apanhado em acidente com fuga
País António Alberto A Queda Albert Camus política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)