Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

A MARATONA DE SÓCRATES

"Agora é que começa a grande maratona política". A frase é do secretário-geral do PS, recém-eleito com 80 por cento dos votos. José Sócrates levantou-se ontem por volta das 08h00, equipou-se a preceito, e foi correr para recuperar de 32 dias de campanha interna.
27 de Setembro de 2004 às 00:00
José Sócrates falou aos jornalistas lado a lado com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira
José Sócrates falou aos jornalistas lado a lado com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira FOTO: Manuel Moreira
Visivelmente bem disposto, o líder socialista só cortou a meta, uma hora depois do vencedor na meia-maratona de Portugal, na Ponte Vasco da Gama. A posição não importava. Nem sequer se poderia considerar uma dupla vitória, porque a linha da meta era só uma: o primeiro lugar nas eleições do partido. E aí, o ex-ministro do Ambiente fez o pleno ao ganhar por uma maioria de dois terços e eleger 1136 delegados ao Congresso de Guimarães.
"Tenho que chegar ao fim da maratona, senão dizem que o secretário-geral começa sem fôlego", desabafava, entre risos, o novo líder socialista sábado à noite. O fôlego chegou e Sócrates teve apoiantes de 'peso'. à sua espera. À chegada à meta, lá estavam Jorge Coelho e Miranda Calha para um abraço.
Apesar de ter voltado a fumar ocasionalmente à noite, Sócrates fez a promessa de continuar a praticar desporto.
"As pessoas têm de perceber a importância do jogging, e eu vou continuar a ter tempo para me exercitar", esclareceu o novo líder socialista, 47 anos, que nunca descura a sua forma física.
Com o sentido de humor apurado e recordando as críticas de que foi alvo por fazer muitas citações, Sócrates aproveitou para parafrasear um "grande socialista", Salgado Zenha. "A política é um trabalho sem fim", afirmou. Zenha, recorde-se, foi candidato presidencial em 1986 contra Mário Soares, quando já estava em ruptura com o partido.
Depois de prestar declarações aos jornalistas lado a lado com o presidente do Sport Lisboa e Benfica, José Sócrates regressou a casa onde almoçou com a mãe e os dois filhos, um ritual que repetiu ao jantar.
À tarde, por volta das 16h00, dirigiu-se à sede do partido, no Largo do Rato, onde a sua equipa de campanha, Capoulas Santos e Fernando Serrasqueiro, analisava os últimos números eleitorais.
Os valores apurados (95 por cento) apontam, agora, para os 80 por cento dos votos para Sócrates, 15,9 para Manuel Alegre e 4,1 para João Soares. O deputado-poeta alcançou 128 delegados e Soares 25.
"DESEJO OS MAIORES ÊXITOS"
O presidente da Internacional Socialista, António Guterres, desejou ontem a José Sócrates "os maiores êxitos" enquanto secretário-geral do PS, cargo para o qual foi eleito sábado à noite com 78,6 por cento dos votos.
Logo após a declaração de vitória de José Sócrates nas eleições para o cargo de secretário-geral do PS, no sábado à noite, António Guterres telefonou ao seu ex-ministro do Ambiente para o saudar pelo triunfo.
Durante a campanha interna para a escolha do novo líder do PS, José Sócrates defendeu António Guterres como candidato dos socialistas nas eleições para a Presidência da República.
No entanto, Guterres prefere dizer que não é "candidato a candidato".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)