Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Acumulações douradas

Aos 53 anos, Vasco Franco, o socialista que desempenhou funções na Câmara de Lisboa durante 23 anos, acumula, desde o dia 2 de Novembro, duas reformas num valor total de cerca de quatro mil euros com um terço do salário como deputado do PS, função que exerce em substituição de Ferro Rodrigues, o antigo secretário-geral dos socialistas que, desde o dia 1 de Novembro, é embaixador de Portugal na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento da Europa (OCDE).
29 de Novembro de 2005 às 00:00
Vasco Franco reformou-se em 2002 e trabalha desde os 16 anos de idade
Vasco Franco reformou-se em 2002 e trabalha desde os 16 anos de idade FOTO: Natália Ferraz
Homenageado ontem à noite por pessoas ligadas a várias instituições lisboetas, o ex-vereador aufere por mês um valor bruto da ordem de 5255 euros.
Como o novo “regime relativo a pensões e subvenções dos titulares de cargos políticos e o regime remuneratório dos titulares de cargos executivos de autarquias locais” obriga à opção entre receber um terço da pensão ou um terço do vencimento mensal, Vasco Franco, a partir do momento em que assumiu a função de deputado, optou por receber as duas reformas por inteiro: uma no valor de 3035 euros, respeitante a 36 anos de serviço como funcionário do Ministério da Administração Interna e autarca na Câmara de Lisboa, e outra, de 900 euros, por ter sido ferido em combate em Moçambique durante a Guerra Colonial.
Por causa do novo enquadramento legal, “estou a receber um terço do vencimento do salário de deputado”, disse ontem ao CM o deputado socialista. Ou seja, 1200 euros por mês. Como exerce estas funções em “exclusividade”, Vasco Franco aufere mais 10 por cento daquele salário bruto para despesas de representação. O que dá um valor mensal da ordem dos 120 euros.
O novo deputado socialista reformou-se em 2002. E justifica assim a sua aposentação: “Eu comecei a trabalhar com 16 anos; neste momento, tenho 41 anos de descontos para a Segurança Social”. Em 2002 e 2003, o então vereador da Câmara de Lisboa foi administrador da Sanest, uma empresa intermunicipal do distrito de Lisboa: por essa função, recebeu um salário mensal de cerca de dois mil euros, metade do vencimento de administrador dessa firma.
MAIS DE 20 ANOS NA CÂMARA
Vasco Franco esteve na Câmara de Lisboa entre 1982, quando foi eleito pela primeira vez, e 2005, data das últimas eleições autárquicas, nas quais não se recandidatou.
Ontem à noite, foi homenageado por um grupo de pessoas ligadas à autarquia e a outras instituições lisboetas. O agora deputado do PS encara esta iniciativa como “um encontro de amigos” e diz que “não” ficou surpreendido com a iniciativa. Foi presidente da Câmara, por suspensão do mandato de João Soares (por causa de um acidente em Angola), entre Agosto e Outubro de 1999, e vice-presidente entre 1994 e 2001. E exerceu as funções de vereador entre 1983 e 2005, um total de 23 anos que o coloca como o vereador mais antigo do município da capital.
DETALHES
3035 EUROS
Quando se reformou em 2002, Vasco Franco ficou com uma pensão de 3035 euros. Aposentou-se com 36 anos de serviço, dos quais nove contaram a duplicar como autarca.
900 EUROS
Além da reforma como funcionário do Ministério da Administração Interna (1972 e 1986) e de autarca, Franco tem uma pensão de 900 euros: ferido em combate em Moçambique.
1200 EUROS
Vasco Franco recebe um salário mensal de 1200 euros, correspondente a um terço dos 3600 euros de vencimento dos deputados. A isto, acresce 120 euros para despesas de representação.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)