Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

António Costa diz que Governo se empenhou em concretizar investimentos

Primeiro-ministro reiterou a necessidade de se fixar pessoas e investimento no interior.
Lusa 17 de Setembro de 2017 às 20:25
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
O secretário-geral do PS e primeiro-ministro declarou este domingo que o executivo se empenha em "concretizar investimentos", ao passo que a oposição "confunde" desejo e realidade, assim como "a existência de um plano" e a concretização efetiva de uma obra.

"Sei que a oposição às vezes confunde os desejos com a realidade e a existência de um plano com uma obra realizada. Nós sabemos bem a diferença porque não nos limitamos a pensar nos projetos, nós empenhamo-nos em concretizar investimentos, a obra", declarou António Costa.

O primeiro-ministro falava na Guarda, onde esteve na qualidade de secretário-geral do PS numa ação de campanha do candidato do partido no concelho às autárquicas de 1 de outubro, Eduardo Brito.

Costa reiterou a necessidade de se fixar pessoas e investimento no interior, em concelhos como a Guarda.

"Só criando aqui empresas criamos condições para atrair e fixar população, emprego que ajude a desenvolver o conjunto destes territórios. É por isso que começámos a trajetória de redução do custo das portagens e é por isso, sobretudo, que iniciámos com o Governo de Espanha para ver as regiões de fronteira com uma nova centralidade", declarou, perante centenas de socialistas.

Trabalhando com Espanha, Portugal pode assim criar uma "plataforma de afirmação da economia" no "grande mercado ibérico de 60 milhões de consumidores", considerou ainda o líder dos socialistas.

Costa elencou obras como o "corredor ferroviário norte, que vai ligar Aveiro a Salamanca", como decisivas para "o desenvolvimento de todos estes territórios", entre os quais a Guarda "tem um papel absolutamente crucial", pois é no concelho "que se vão entroncar as linhas da Beira Alta com as linhas da Beira Baixa".

Na Guarda, o social-democrata Álvaro Amaro quer voltar a ser presidente do município, depois de em 2013 ter conquistado ao PS a autarquia gerida até então pelos socialistas desde as primeiras eleições autárquicas, em 1976.

Concorrem à presidência da Câmara da Guarda Eduardo Brito (PS), Carlos Adaixo (CDS-PP/MPT/PPM), Jorge Mendes (BE), Carlos Canhoto (PCP/PEV) e Álvaro Amaro (PSD).
Ver comentários