Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Assis aplaudido de pé após discurso de unidade

Francisco Assis foi aplaudido de pé neste sábado no Congresso do PS, declarando encerrada a disputa com António José Seguro, num discurso em que criticou a "intimidade" de Cavaco Silva com o Governo e defendeu a herança "socrática".
10 de Setembro de 2011 às 13:05
Assis disse mesmo que esse comportamento de Cavaco Silva "contrasta com a actuação que teve com o Governo anterior [de José Sócrates] na última fase da sua vida
Assis disse mesmo que esse comportamento de Cavaco Silva 'contrasta com a actuação que teve com o Governo anterior [de José Sócrates] na última fase da sua vida FOTO: Estela Silva/Lusa

"Podes contar comigo", afirmou o ex-líder parlamentar do PS e candidato derrotado ao cargo de secretário-geral nas eleições diretas de Julho, dirigindo-se ao vencedor da disputa interna, António José Seguro, durante o discurso de apresentação da sua moção de estratégia.  

Já depois de ter recebido prolongadas salvas de palmas por parte dos delegados, Francisco Assis voltou a garantir que recusa ser um líder de facção, elogiou o discurso proferido pelo novo secretário-geral na abertura do congresso [na sexta-feira] e levantou a plateia ao assumir em sentido contrário uma famosa frase da autoria do ex-presidente do PSD Pedro Santana Lopes.  

"Eu não vou andar por aí, eu vou estar por aqui ao vosso lado. Temos de sair daqui como um partido que sabe reconduzir-se à unidade. Os portugueses estão à espera que os socialistas se unam para criarem uma alternativa sólida", declarou na parte final da sua intervenção, que durou 28 minutos.  

O candidato derrotado à liderança do PS preferiu centrar o seu discurso no ataque ao executivo de coligação PSD/CDS, que disse ter condições únicas para governar, já que dispõe de maioria absoluta no Parlamento, dispõe de hegemonia nas autarquias e "entre os comentadores das televisões", contando, ainda, com a "cooperação activa e íntima" do Presidente da República.  

Assis disse mesmo que esse comportamento de Cavaco Silva "contrasta com a actuação que teve com o Governo anterior [de José Sócrates] na última fase da sua vida.  

Em relação ao Governo liderado por Pedro Passos Coelho, o ex-líder parlamentar socialista deu como exemplo da sua alegada insensibilidade social "o caso chocante" de se pretender limitar o número de transplantes a realizar em Portugal.  

"Não estamos a falar de uma cirurgia estética, mas da fronteira entre a vida e a morte", disse, antes de advertir que Portugal, face à acção do actual Governo, "corre o risco de enfrentar uma cisão histórica com a destruição e empobrecimento de uma grande parte da classe média portuguesa".  

Neste ponto, Assis citou o filósofo Aristóteles e considerou que não há sociedade democrática saudável sem a existência de uma classe média forte, razão pela qual, na sua perspetiva, o discurso de oposição dos socialistas deve dirigir-se prioritariamente a estes grupos sociais.  

Apesar de nunca ter atacado a linha maioritária, o candidato da tendência minoritária deixou alguns recados à futura direcção liderada por António José Seguro sobre a herança dos governos de José Sócrates.  

assis seguro ps sócrates braga congresso
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)