Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

AZNAR CONDICIONA PORTUGAL

O Governo português foi apanhado de surpresa com o anúncio feito pelo primeiro-ministro espanhol, José Maria Aznar, que garantiu ontem a ligação de alta-velocidade (TGV) com o traçado Madrid-Cáceres-Badajoz, com o terminal nesta última cidade, independentemente da ligação a Portugal.
8 de Novembro de 2002 às 00:00
Os ministros Valente de Oliveira e Morais Sarmento reagiram à notícia com cautela, limitando-se a referir que desconheciam as afirmações de Aznar.

“Não tinha essa nota” ou um “não sabia”. Foi assim que os dois membros do Governo de Barroso comentaram as intenções do Executivo espanhol. O responsável pelas Obras Públicas apressou-se a dizer que as informações avançadas por Aznar em nada “afectam” os projectos do Governo português que procede a estudos de viabilidade do TGV na ligação entre Portugal e Espanha.

“É uma questão interna que corresponde a uma promessa” de ligar Badajoz a Madrid, referiu Valente de Oliveira. Nesse sentido, o Ministério desmistifica o facto de Espanha poder condicionar a decisão portuguesa ao apontar o traçado para um terminal em Badajoz, ao contrário da intenção portuguesa de passá-lo para Cáceres, e colocou-o, por isso, num mero plano interno espanhol.

O Ministério diz “que não está preocupado”, mas o TGV espanhol será posto em marcha e só depois se entrará em negociações com Portugal. Foi esta a ideia transmitida por José Maria-Aznar ontem em Mérida. Ao passo que o governo português procede a estudos de viabilidade económica que deverão estar concluídos, em princípio, no final deste ano.

Na última Cimeira Ibérica, realizada no mês passado, os dois governos não conseguiram chegar a acordo sobre o traçado de ligação: o Executivo português defendeu a ligação por Cáceres (alegando que a conexão com Madrid ficaria a meio caminho, entre Lisboa e o Porto) enquanto o executivo espanhol preferiu a ligação por Badajoz.

Porém, Aznar reiterou o compromisso do seu governo de ligar Badajoz a Madrid por TGV na inauguração de um troço da auto-estrada de la Plata Mérida-Badajoz, em Zafra e o presidente de Extremadura, Juan Carlos Rodriguez Ibarra, pediu-lhe que se iniciem já os trâmites para a construção da via, à margem das decisões sobre o ponto de ligação da linha com Lisboa.

Segundo Ibarra, a questão é clara: o governo de Gonzalez decidiu o traçado da auto-estrada Madrid-Badojoz sem negociar com Lisboa, que depois não teve outra alternativa se não ligar o troço português ao espanhol. “E isso é o que deve acontecer agora”, acrescentou o presidente da Extremadura, avançando mais uma informação inquietante para Portugal:“Não acredito que a União Europeia pague o troço entre a fronteira e Cáceres [como pretende Durão] se já existe uma ligação através de Badajoz.”
Ver comentários