Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

BATOTA NO PSD DE LEIRIA

O aparecimento de três votos a mais do que o número de votantes provocou, na sexta-feira, a anulação das eleições para a concelhia social-democrata de Leiria.Votaram 506 pessoas, mas no final contaram-se 509 votos. “Uma verdadeira vergonha”. A frase foi dita ao CM por Carlos Simões, militante do PSD, para caracterizar a situação em que decorreu o acto eleitoral.
1 de Agosto de 2004 às 00:00
Eleições para a concelhia e distrital agitam social-democratas  em Leiria
Eleições para a concelhia e distrital agitam social-democratas em Leiria FOTO: Francisco Pedro
Já passava da uma da manhã quando acabou a contagem e se deu pelos três votos a mais. A confusão instalou-se e as pessoas quiseram saber quem ganhou. Para não falar no entra e sai, fora do normal, na sala onde estavam a ser contados os votos. “Chegaram estar mais de 15 pessoas na sala”, afirmou um militante ao CM. Os dois candidatos, Teófilo Santos e Carlos Poço, reuniram-se de imediato com o presidente do Conselho Distrital de Jurisdição, Branquinho Crespo, e decidiram que era muito tarde para analisar a situação e que seria melhor adiar a revelação dos resultados até novas averiguações.
Ao que o CM apurou, Carlos Poço terá sido o vencedor nesta corrida a presidente da concelhia do PSD, com 248 votos. Teófilo Santos obteve apenas 245.
Contactado pelo CM, enquanto Teófilo Santos optou pelo silêncio, Carlos Poço rejeitou a possibilidade de convocar um novo acto eleitoral. “Não aceito outras eleições. Não há fundamentação”, afirmou Poço, que tem uma teoria sobre o que aconteceu. “As pessoas votaram, mas na mesa de voto esqueceram-se de marcar no caderno eleitoral”.
Esquecimento ou não, o certo é que o Conselho de Jurisdição se terá decidido por convocar um novo acto eleitoral, embora a decisão não tenha ainda sido divulgada oficialmente. Ao que tudo indica, as novas eleições em Leiria só deverão ter lugar em Setembro, uma vez que é ainda necessário publicar o acto no jornal do partido, ‘Povo Livre’.
Desde que foram convocadas, estas eleições foram tudo menos pacíficas. Os candidatos não se cansaram de fazer acusações mútuas. Teófilo Santos chegou a ameaçar impugnar a candidatura de Carlos Poço e processar o presidente da concelhia, Olegário Angélico, por suspeitas de falsificação de assinaturas de militantes.
Carlos Poço denunciou actos de “pressão, coacção e mesmo de chantagem”que estariam a ser feitos por apoiantes da lista de Teófilo Santos a elementos que apoiam a sua candidatura. Sem citar nomes dos alegados “chantageados”, Carlos Poço afirmou que muitas das pressões tinham surgido de pessoas ligadas ao futebol, adiantando que até ameaças de desemprego têm sido feitas.
INSULTADO NOS BOLETINS DE VOTO
As eleições para presidente da distrital do PSD de Leiria também decorreram na sexta-feira. Só havia uma candidatura e José António Silva voltou a ser eleito. Uma reeleição que também teve a sua dose de polémica.
Entre os votos que elegeram José Silva, contaram-se perto de 130 votos nulos e em branco. E ao que o CM apurou, alguns dos militantes terão usado os boletins de voto para escrever alguns insultos ao presidente da distrital do PSD de Leiria.
Além disso, há quem critique José Silva por não ter assumido publicamente o apoio que deu à candidatura de Teófilo Santos, uma vez que várias pessoas o acusam de ter tentado “cacicar” pessoas que apoiavam Carlos Poço.
No entanto, do mesmo é acusada a presidente da Câmara, Isabel Damasceno, mas de tentar favorecer a lista de Poço, embora tenha assumido o apoio publicamente.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)