Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

BE de Ovar diz que híbrido da Câmara é mais poluente que carro anterior

Em causa estão as recentes críticas ao facto de o automóvel afeto ao presidente da Câmara, Salvador Malheiro, ser "uma viatura de luxo".
12 de Fevereiro de 2019 às 12:15
carro, Ovar
Presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro
carro, Ovar
Presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro
carro, Ovar
Presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro
A coordenação de Ovar do BE requereu esta terça-feira à Assembleia Municipal esclarecimentos sobre a nova viatura do executivo camarário, criticando o seu elevado preço e que seja um híbrido mais poluente do que o veículo que veio substituir.

Em causa estão as recentes críticas ao facto de o automóvel afeto ao presidente da Câmara, Salvador Malheiro, ser "uma viatura de luxo" pela qual a autarquia está a pagar cerca de 2.000 euros por mês em regime de 'leasing'.

"É uma viatura de luxo cujo modelo base, novo, tem um custo superior a 130.000 euros, isto é, mais do que o dobro do custo de um veículo equivalente ao que estava anteriormente ao serviço do Presidente da Câmara. Não obstante ser um veículo híbrido, tem emissões de CO2 superiores ao [veículo] que estava anteriormente ao serviço e, por essa e outras razões, deita por terra o argumento da sustentabilidade e transição energética", diz o BE em comunicado.

A coordenação local do partido preferia que o presidente da Câmara optasse por outra viatura "que não retire dignidade ao cargo que ocupa, mas [que seja] menos luxuosa e ostentativa" - mesmo que ainda apostada na transição energética.

"Não questionamos a legalidade da opção do município, mas a legalidade não é o único nem principal critério a considerar. Num concelho a braços com graves situações de emergência social, entre outras carências, esta opção é eticamente condenável e 2.000 por mês permitem suportar, por exemplo, dois contratos de trabalho para assistentes operacionais", defende o BE.

Quanto às denúncias de uso indevido das viaturas e cartões de abastecimento da autarquia ao serviço da estrutura nacional do PSD, cuja vice-presidência cabe ao autarca de Ovar, o BE diz que aguardará pelos esclarecimentos em Assembleia para "averiguar a veracidade das acusações" e então se pronunciar.

Questionado sobre este assunto, o presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro, remeteu para a Assembleia Municipal todos os esclarecimentos sobre o assunto.

No domingo, o autarca já tinha afirmado à Lusa que a viatura alugada em regime de 'leasing operacional' a uma marca automóvel com produção no concelho "é em segunda mão e custa 2.000 euros por mês só durante um ano", após o que a autarquia "tem opção de a adquirir ou não".

"Está a um valor igual ou equivalente à maioria dos carros híbridos utilizados pelas autarquias portuguesas", afirmou.

No domingo, o CDS de Ovar requereu à Assembleia Municipal que fiscalize o último meio ano de utilização das viaturas da Câmara Municipal para verificar em que medida foram utilizadas pelo presidente em deslocações não relacionadas com atividade autárquica.

À Lusa, o presidente da câmara referiu no domingo que, "por uma questão de rentabilização de recursos e economia de meios", sempre que tem que fazer deslocações a Lisboa procura "otimizar a agenda para incluir na mesma viagem o maior número possível de reuniões".

Salvador Malheiro considerou que as questões levantadas a propósito da utilização dos automóveis "são motivadas por mera perseguição política" ou não deixariam de fora "outras figuras do panorama político nacional".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)