Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

BE, PCP e PAN pedem novo regime que devolva a gestão democrática às escolas

Petição da Fenprof pede uma revisão legal, com a revogação do enquadramento em vigor que os professores consideram ter retirado às escolas "práticas democráticas colegiais".
Lusa 13 de Fevereiro de 2020 às 19:28
Sala de aula
Sala de aula FOTO: Getty Images
As bancadas parlamentares do BE, PCP e PAN defenderam esta quinta-feira um modelo de gestão das escolas mais democrático, colocando-se ao lado de uma petição com quase 9.000 assinaturas de professores.

Em debate no plenário da Assembleia da República estiveram duas propostas de lei do PCP e do BE, uma proposta de resolução do PAN e uma petição da Federação Nacional de Professores (Fenprof), que pede uma revisão legal, com a revogação do enquadramento em vigor que os professores consideram ter retirado às escolas "práticas democráticas colegiais".

A deputada do PCP Ana Mesquita sublinhou que o atual modelo é "injusto, atrasado, e não fomenta a participação democrática nas escolas", acrescentando que o projeto de lei dos comunistas permite que "todos os que estudam e trabalham nas escolas sejam construtores da democracia" e participem no processo de decisão.

A participação da comunidade escolar na gestão das instituições de ensino é também uma das preocupações do PAN, que defendeu a existência de uma direção colegial eleita, constituída por docentes, pessoal não-docente, encarregados de educação e alunos.

Bebiana Cunha, deputada do PAN, criticou o regime em vigor, afirmando que este tem favorecido a afirmação da figura do diretor, numa lógica de "gestão burocrática e autocrática", menorizando o papel dos profissionais que trabalham nas escolas e dos estudantes.

O BE, representado pela deputada Alexandra Vieira, considerou também que o enquadramento legal vigente assenta numa liderança forte, que não tem sido, nem é, suficiente para dar resposta aos problemas atuais da escola pública.

À semelhança do PAN, Alexandra Vieira reforçou que a gestão democrática das escolas está prevista na Constituição da República e na Lei de Bases do Sistema de Educativo, alertando que esse princípio está, neste momento, interrompido.

O deputado socialista Porfírio Silva aproximou-se dos partidos à esquerda, reforçando que a petição da Fenprof e as propostas dos partidos traduzem uma preocupação que é partilhada pelo PS: "Aperfeiçoar os modelos de gestão democrática das nossas instituições a todos os níveis".

No entanto, Porfírio Silva alerta que o caminho não pode passar por "deitar para o lixo todo o regime atual, ou voltar a regimes anteriores".

A intervenção dos sociais-democratas, pela voz de António Cunha, foi no mesmo sentido. Segundo o deputado, o PSD é favorável à melhoria do modelo vigente, que "não é perfeito", desde que essa revisão assente na experiência acumulada, e não num regresso ao passado.

À direita, as iniciativas legislativas foram criticadas, com Cecília Meireles, do CDS-PP, a defender que a decisão sobre a educação das crianças e dos jovens é um direito e um dever das famílias, cabendo ao Estado respeitar essa decisão.

A deputada centrista acusou ainda os partidos de confundirem os conceitos de democracia e coletivismo, acrescentando que os modelos propostos, assentes numa participação conjunta na tomada de decisões, impede que se responsabilize alguém quando as coisas correm mal.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)