Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Berardo arrisca ficar sem condecorações

Conselho decide esta sexta-feira se retira grau de comendador e Grã-Cruz da Ordem do Infante.
Salomé Pinto 16 de Maio de 2019 às 08:24
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Joe Berardo arrisca perder o grau de comendador e a Grã-Cruz da Ordem do Infante na reunião desta sexta-feira à tarde do Conselho das Ordens Nacionais, presidido por Manuela Ferreira Leite.

A antiga ministra das Finanças decidiu convocar um conselho extraordinário, depois de saber que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não irá contestar a retirada das duas condecorações a Berardo. "O Presidente não vê qualquer oposição", afirmou ontem o Chefe de Estado.

O processo foi desencadeado depois das polémicas afirmações do empresário madeirense, na semana passada, na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

As respostas e o tom utilizado a algumas questões dos deputados levantaram uma onda de indignação. Berardo chegou a dizer que "não tem dívidas" e que "tentou ajudar os bancos".

O primeiro-ministro, António Costa, ficou "chocado com o desplante" de Berardo e Marcelo Rebelo de Sousa pediu "decoro".

Esta quarta-feira, o presidente do PSD, Rui Rio, defendeu "a retirada da comenda a Berardo", acrescentando que "há mais alguns na lista a quem se podia tirar as condecorações", enquanto o ‘vice’ de Rio, David Justino, comparou o comendador a um "autêntico vampiro".

O CDS pediu ao presidente do Parlamento para instaurar um processo com vista à irradiação de Berardo dos quadros da Ordem.

O advogado José Miguel Júdice ameaçou mesmo devolver a condecoração de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, afirmando que não quer "fazer parte de uma ordem que tem como companheiro de caminho Berardo".

O empresário foi agraciado com o grau de comendador da Ordem do Infante em 1985 pelo então Presidente da República, Ramalho Eanes. Em 2004, Jorge Sampaio condecorou-o com a Grã-Cruz da mesma Ordem.

SAIBA MAIS 
2
Ordens Nacionais existem na direta dependência do Presidente da República, a da Liberdade e a do Infante D. Henrique. Berardo foi condecorado com duas insígnias da Ordem do Infante: grau de comendador e Grã-Cruz.

Decisão independente
É ao Conselho das Ordens Nacionais que compete a abertura de processos e decidir sobre a retirada de condecorações. O Chefe de Estado não pode pedir ao conselho para se pronunciar, apenas dar sinais de que não se opõe, como aconteceu.
Ver comentários