Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Cavaco: “Este país não é um país nada fácil”

O Presidente da República admitiu esta segunda-feira ser "muito difícil" coordenar o País, sublinhando a necessidade de existir articulação e não estarem "uns a atirar para um lado a bola e outros a atirar para outro".
12 de Julho de 2010 às 14:50
Acabar com Zona Monetária Europeia seria "um desastre"
Acabar com Zona Monetária Europeia seria 'um desastre' FOTO: Reuters

Durante a visita ao Centro Comunitário Nossa Senhora da Boa Nova, no bairro da Galiza, em Cascais, Cavaco Silva foi surpreendido por uma criança  que lhe fez uma pergunta inesperada: "Como é que consegue coordenar este País?", questionou, fazendo sorrir todos os presentes.  

"É uma coisa muito difícil, este país não é um país nada fácil, mas como eu sou Presidente de todos os portugueses, eles compreendem essa minha  posição e a minha vida fica um pouco mais facilitada", afirmou o chefe de  Estado, citado pela agência Lusa, lembrando que Portugal é um país diferente "do norte para o sul, do litoral para o interior", apesar de todos serem portugueses.  

Mas, "a coordenação é sempre muito difícil", acrescentou, comparando  o trabalho à orientação de uma equipa de futebol.  

"É mais fácil a coordenação de uma equipa de futebol, onde há um treinador que manda e eles são apenas 11 a jogar, mas aqui são 10 milhões, portanto não basta uma pessoas para coordenar, é preciso milhares de pessoas a coordenar, uns são Presidentes da República, outros são membros do Governo, outros são presidentes de Câmara", referiu, explicando que existe como que "uma mão invisível a fazer a coordenação".  

"E, no fim de tudo, isto acaba por funcionar, o nosso Portugal", sustentou. 

Interrogado depois pelos jornalistas se tinha sido uma pergunta "difícil", Cavaco silva reconheceu que foi "muito difícil", notando o facto de uma criança já ter a noção de que é preciso coordenação, "que é preciso articulação, que não podem estar uns a atirar para um lado a bola e outros a atirar para  outro".

SAÍDA DE PORTUGAL DO EURO É “IMPROVÁVEL”  


Cavaco considerou ainda "totalmente improvável" que Portugal ou a Grécia saiam na zona Euro, considerando que seria um "desastre" para a Europa ver ruir o "edifício que é a Zona Monetária Europeia".  

"Estudei muito a zona Euro, tenho livros publicados sobre a zona Euro, não acredito que Portugal alguma vez saia da zona Euro, nem acredito que a Grécia venha a sair", afirmou o chefe de Estado, quando questionado sobre as declarações de Paul Krugman, prémio Nobel da  Economia.  

Numa entrevista publicada domingo no ‘El País’, Paul Krugman disse acreditar que "há uma possibilidade plausível de a Grécia ser forçada a sair do euro" e considerou que isso contagiaria todos os outros países da zona euro, com especial incidência para Portugal.  

"Acho que é uma certa falta de conhecimento do que é de facto a zona  Euro, penso que seria um desastre para a Europa, não era para a Grécia, para Portugal, para a Irlanda ou para Espanha, seria um desastre para a Europa se por acaso este edifício que é a União Monetária Europeia viesse a ruir", sublinhou Cavaco Silva.  

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)