Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

CDS-PP defende envolvimento de militares em "robusto plano de testagem rápida"

Partido responsabilizou o Governo pelo "descontrolo da pandemia".
Lusa 9 de Fevereiro de 2021 às 15:20
Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS
Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS FOTO: Miguel A. Lopes / Lusa
O CDS-PP defendeu esta terça-feira o envolvimento de militares num "robusto plano de testagem rápida" que permita a identificação das cadeias de contágio da covid-19 e responsabilizou o Governo pelo "descontrolo da pandemia".

Num comunicado enviado à Lusa no final da reunião com especialistas por videoconferência, na qual foi analisada a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal, os centristas propõem que as Forças Armadas "sejam também associadas à execução de um robusto plano de testagem rápida para rastreio das cadeias de contágio, que os técnicos hoje defenderam nesta reunião como condição de um desconfinamento em segurança".

A porta-voz do CDS-PP, Cecília Anacoreta Correia, que assina a nota, refere que "os dados hoje apresentados revelam que o confinamento decretado em finais de janeiro se deveu a uma reação tardia e laxista por parte do Governo".

"O Governo tinha a responsabilidade de aplicar uma política de precaução e de antevisão de cenários, coisa que irresponsavelmente não fez", critica a dirigente centrista, argumentado que o executivo "optou pelo caminho mais fácil de ir respondendo gradualmente ao evoluir da situação, sempre atrás do prejuízo".

A centrista salienta igualmente que o Serviço Nacional de Saúde "não merecia ter sido deixado à mercê do improviso".

"Não fomos devidamente protegidos e o descontrolo da pandemia verificado no mês de janeiro é uma enorme responsabilidade politica deste Governo", critica Cecília Anacoreta Correia, pedindo "planeamento, transparência e meritocracia na preparação de possíveis novas vagas deste vírus".

Na ótica do CDS-PP, "não se pode mais andar atrás do prejuízo, deixando as coisas evoluírem até a única resposta adequada ser novos confinamentos", uma vez que "as empresas, os trabalhadores, as famílias, os estudantes não aguentam este tipo de política devastadora".

"Resta-nos a esperança da vacinação, domínio onde saudamos o envolvimento tardio das Forças Armadas, que o CDS sempre propôs", realça a porta-voz, destacando também a "criação de centros de vacinação, que o CDS já propusera e espera ver replicados em todo o país".

Na nota hoje divulgada, o partido salienta igualmente que "os maiores de 80 anos são dos mais afetados pela doença e pela mortalidade" e reitera que é "incompreensível que o Governo não tenha incluído toda esta faixa etária na lista de prioridade de vacinação desde a primeira hora, como atempadamente o CDS pediu".

Ainda no que toca à vacinação, o CDS criticou a escolha de "um comissário político para responsável pela condução deste processo, em vez de se envolver desde o início as Forças Armadas", e advogou que "a expectativa dos portugueses na vacinação não pode ser deixada à mercê de comissários políticos e dos abusos" que têm sido identificados, referindo-se à administração de vacinas a pessoas que não estão incluídas nos grupos prioritários".

Em Portugal, morreram 14.557 pessoas dos 770.502 casos de infeção confirmados por covid-19, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Ver comentários