Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

CÉSAR TEM DE PEDIR DESCULPAS

A 'Coligação Açores' (PSD/ /CDS-PP) vai criar a Secretaria Regional do Turismo e Transportes caso ganhe as eleições de dia 17, disse ontem Vítor Cruz, candidato a presidente do governo.
10 de Outubro de 2004 às 00:00
Mota Amaral, presidente da Assembleia, cuimprimentando Vítor Cruz
Mota Amaral, presidente da Assembleia, cuimprimentando Vítor Cruz FOTO: Eduardo Costa
Falando num almoço-comício que juntou mais de duas mil pessoas em Ponta Delgada, o líder da coligação criticou o presidente socialista, Carlos César, por ter falhado na promoção turística dos Açores, preferindo fazer "um comício" cada vez que inaugura um hotel". Assim, para Vítor Cruz, "Carlos César tem de ir a todas as ilhas pedir desculpas por aquilo que não fez e prometeu em 1996".
As críticas a Carlos César são uma constante nas intervenções de Vítor Cruz, que no almoço de ontem acusou o socialista de ter perdido "o combate à toxicodependência", hoje uma das maiores preocupações dos açorianos. Outro combate perdido, no entender de Vítor Cruz, foi o do insucesso escolar, que apenas regrediu no primeiro ciclo, como foi também "o combate ao clientelismo", já que "se hoje um açoriano escrever para um jornal tem logo uma directora regional a fazer queixa dele".
Caso ganhe as eleições, Vítor Cruz prometeu em Ponta Delgada que irá equiparar os salários dos trabalhadores das Instituições Particulares de Solidariedade Social aos dos funcionários públicos, bem como investirá nas acessibilidades, nomeadamente para os concelhos do Nordeste e da Ribeira Grande.
Numa manifestação de campanha muito animada, e quando falta uma semana para a ida às urnas, Vítor Cruz teve no almoço a presença de Mota Amaral, antigo presidente do governo regional eleito pelo PSD, e Alvarino Pinheiro, líder do CDS-PP dos Açores.
'PORTUGAL INGOVERNÁVEL'
O presidente do PSD/M, Alberto João Jardim, disse, sexta-feira à noite, num comício em Santa Cruz, que Portugal “é ingovernável” com a actual Constituição da República, que data de 1976. “Há dois anos – lembrou – o engenheiro Guterres fugiu, aquele rectângulo é ingovernável com a Constituição que tem, podem pôr lá o PS, o PSD, aquilo não tem solução”.
Para Alberto João Jardim só uma grande mudança política – passar da III para a IV República – poderá tornar governável Portugal, ou seja, o país tem de ser objecto de uma mudança estrutural.
“O Presidente da República, agora, já anda a dizer isso, perderam 25 anos a cantar a Vila Morena, a suicidarem-se ao som da Grandola Vila Morena”, disse.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)