Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Chamem-me o que quiserem

O relógio marcava 11 horas quando Pedro Santana Lopes, acompanhado de Carmona Rodrigues, chegou aos Paços do Concelho. Bem-disposto, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa nada quis dizer aos jornalistas que o aguardavam. “Chamem-me o que quiserem”, respondeu quando questionado sobre o regresso à autarquia e ao final do dia emitiu um comunicado, dando como exemplo o procedimento de Jorge Sampaio em 199.
16 de Março de 2005 às 00:00
A tentativa de demonstrar que a mudança foi pacífica levou Santana Lopes a anunciar que Carmona Rodrigues iria partilhar equipas, entre assessorias e técnicos. Uma fonte do gabinete do presidente da autarquia fez questão de esclarecer ao CM que não se trata de uma “partilha de poderes”, mas tão-só uma solução para que a transição seja célere. Neste processo ficou ontem definido que Santana Lopes toma conta do pelouro da Segurança e Carmona Rodrigues fica com a Divisão Administrativa e a Revisão do Plano Director Municipal, assumindo-se como vice-presidente da autarquia com mais peso político.
Ao longo do dia, Helena Lopes da Costa, Pedro Pinto e Eduarda Napoleão mantiveram-se no edifício principal para se inteirarem das ideias do edil recém-chegado. Santana Lopes já terá contactado o CDS e aproveitou o dia para ‘arrumar a casa’. A ideia que prevalece na principal Câmara do País é a de que Santana pretende manter a estrutura do gabinete anterior à ida para São Bento. Santana Lopes terá levado consigo para a autarquia o chefe de gabinete, Ribeiro Rosa, e secretárias. Contudo, falta saber quem ficará com o difícil pelouro das Finanças. A autarquia da capital vive uma situação orçamental de duodécimos (tem como base o Orçamento de 2004) , uma vez que o Orçamento para 2005 foi chumbado.
Fontão de Carvalho, que tutelava as Finanças, saiu e ficará, agora, como vereador independente (eleito na lista do PS, mas totalmente afastado do partido). Pedro Pinto, economista, surge como uma hipótese para ocupar esta pasta, ainda que seja prematuro dar como fechado este processo de reajustamento. O próximo passo passa por uma reunião de Câmara a realizar, em princípio, amanhã, para clarificar competências. Helena Lopes da Costa deverá ficar com os mesmos pelouros e António Prôa abandona a edilidade. Moreira Marques, crítico do regresso de Santana, mantém-se.
O Bloco de Esquerda, sublinhe-se, irá apresentar um requerimento para avaliar a legalidade da decisão de Santana Lopes.
A PRIMEIRA MENSAGEM AOS LISBOETAS
“Ao reassumir funções de presidente da Câmara Municipal de Lisboa quero saudar calorosamente todos os Lisboetas.
Como é público, suspendi o mandato autárquico em Julho último por ter sido chamado ao exercício do cargo de primeiro-ministro num momento particularmente difícil. Regresso à presidência da Câmara Municipal de Lisboa para cumprir um dever que muito me honra. Faço-o com gosto, quando, como sempre, surgiram outros desafios na minha vida profissional. Quero, por isso, deixar claro que dou todo o meu trabalho até ao final do mandato sem vantagens materiais.
Na ponderação que fiz, tendo terminado a missão que fui chamado a desempenhar, nenhuma razão superior existia que justificasse a renúncia a este mandato que, para todos, representa uma viragem na condução dos destinos de Lisboa. (...)
Regresso a sete meses das Eleições Autárquicas, mas o dever não se mede em função do tempo que falta para terminar um mandato. Estou aqui para cumprir o programa que os Lisboetas sufragaram a 16 de Dezembro de 2001. Também em 1991, o Dr. Jorge Sampaio regressou à presidência da Câmara Municipal de Lisboa depois de ter suspendido o mandato para disputar Eleições Legislativas com um resultado semelhante. (...)”
VANTAGENS DE UM PRESIDENTE DE CÂMARA
ORDENADO
3 887,33 euros ilíquidos
AJUDAS DE CUSTO
1163,20 ilíquidos
EQUIPA
Tem direito a chefe de gabinetes, secretárias, assessores e até cozinheiros
CARRO
AUDI A8 (sem uso no tempo de Carmona Rodrigues)
CASA
Monsanto
GABINETE
Direito a gabinete próprio
SEGURANÇA
Pode pedir à Polícia Municipal
VANTAGENS COMO DEPUTADO
ORDENADO
3520 345 euros íliquidos
CASA
Não tem direito
CARRO
Não tem direito, a não ser que fosse vice-presidente.
GABINETE
Tem de o dividir com, pelo menos, mais um deputado
EQUIPA
Dividir secretárias com vários parlamentares. Sem direito a chefes de gabinete
SEGURANÇA
Sem direito a protecção especial permanente
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)