Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Chega considera que "há explicações que continuam por dar" após renúncia de Sérgio Figueiredo

Ex-diretor da TVI renunciou ao cargo na pasta das Finanças.
Lusa 17 de Agosto de 2022 às 12:49
Sérgio Figueiredo, diretor da TVI
Sérgio Figueiredo, diretor da TVI FOTO: Mário Cruz/Lusa
O Chega considera que "há explicações que continuam por dar" após a renúncia de Sérgio Figueiredo ao cargo de consultor do ministro das Finanças, e questiona se houve "alguma espécie de troca de favores" entre os dois.

Em comunicado, a direção nacional do partido refere que "recebeu sem surpresa a notícia da renúncia de Sérgio Figueiredo como consultor do Ministério das Finanças", apontando que "a pressão pública e o sentimento de imoralidade do seu vencimento, perante os restantes funcionários públicos, mesmo do Ministério das Finanças, assim o ditavam".

"Há, no entanto, explicações que continuam por dar", defende o Chega, reiterando "o pedido que fez à Inspeção-Geral das Finanças para uma investigação aos pagamentos efetuados entre Medina e Figueiredo e se em algum momento houve alguma espécie de troca de favores".

O partido de extrema-direita considera ainda que a "vida pública, especialmente a vida política tem de pautar-se por critérios de transparência e legalidade, critérios que, neste caso, apareciam, no mínimo, distorcidos".

Sérgio Figueiredo renunciou esta quarta-feira ao cargo de consultor do ministro das Finanças, comunicando a decisão através de um texto publicado no Jornal de Negócios.

"Para mim chega! Sou a partir deste momento o ex-futuro consultor do ministro das Finanças. Sossego as almas mais sobressaltadas de que não cheguei a receber um cêntimo, sequer formalizei o contrato que desde a semana passada esperava pela minha assinatura", pode ler-se num texto assinado por Sérgio Figueiredo.

Em reação à demissão, o ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público".

"Lamento profundamente a decisão anunciada por Sérgio Figueiredo, mas compreendo muito bem as razões que a motivaram", afirmou Fernando Medina, em comunicado enviado às redações, sobre a decisão de Sérgio Figueiredo de não prestar os serviços de consultoria para o gabinete do ministro das Finanças.

O jornal Público noticiou em 09 de agosto que o Ministério das Finanças tinha contratado o antigo diretor de informação da TVI e ex-administrador da Fundação EDP Sérgio Figueiredo como consultor estratégico para fazer a avaliação e monitorização do impacto das políticas públicas, escolha que motivou críticas de partidos políticos e comentadores.

Ver comentários