Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

CONGRESSO DO PSD PROMETE AQUECER

O Congresso do PSD do próximo fim-de-semana promete ser mais "quente" do que à partida se esperava. Pedro Santana Lopes afirmou ontem que tenciona falar sobre as eleições presidenciais apesar de Durão Barroso ter avisado que esse era um tema "tabu" no conclave social-democrata de Oliveira de Azeméis.
19 de Maio de 2004 às 00:00
Durão Barroso poderá ter um Congresso mais complicado de gerir do que esperava
Durão Barroso poderá ter um Congresso mais complicado de gerir do que esperava FOTO: Pedro Catarino
Além disso, fontes do partido garantem que o líder do PSD poderá aproveitar as suas intervenções para de alguma forma "abrir a porta" a uma remodelação governamental.
Sendo um congresso não electivo, tudo indicava que os pontos de interesse não iriam além da escolha do novo secretário-geral e da tradicional dança de cadeiras a nível das vice-presidências. No entanto, parece cada vez mais impossível que as eleições presidenciais não dominem as atenções. Depois de alguns jornais terem noticiado que Pedro Santana Lopes poderá apoiar uma candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa a Belém, o presidente da Câmara de Lisboa fez saber que vai quebrar o tal tabu. "No Congresso direi qual será a altura que acho indicada para se começar a falar das presidenciais. Se me deixarem falar...", afirmou.
Sobre as notícias do apoio a uma eventual candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, não quis fazer qualquer comentário, ao contrário de outros colegas de partido contactados pelo Correio da Manhã. Várias fontes social-democratas interpretaram estas notícias como um recuo de Pedro Santana Lopes em relação à intenção de se candidatar a Belém. "Parece-me claro que há aqui um descontentamento perante o apoio cada vez mais evidente de Durão Barroso a Cavaco Silva, é uma forma de recuar deixando já claro que nunca haverá unanimidade no partido em matéria de presidenciais", concluiu uma das fontes.
Outro tema que deverá pairar no ar no próximo fim-de-semana é o da remodelação governamental, que muitos apostam que acontecerá ainda antes das eleições europeias de 13 de Junho. Fonte do partido disse ao CM que a questão poderá ser abordada pelo próprio líder social-democrata. Obviamente que ninguém espera de Durão Barroso um anúncio formal no Congresso, mas poderá deixar a "porta aberta" a essa possibilidade apontando o seu discurso para a necessidade de se iniciar um novo ciclo político a par da anunciada retoma económica.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)