Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Contestação no distrito de Setúbal

A polémica está instalada por causa do aumento de portagens na A2 e A12, na Margem Sul do Tejo. A Associação de Municípios no distrito de Setúbal anunciou ontem que vai pedir uma audiência ao Ministério das Obras Públicas e fala em "penalização" para as populações, num distrito onde já se paga portagens nas duas travessias para chegar a Lisboa. Alfredo Monteiro, autarca do Seixal (PCP), declarou ontem à SIC a intenção de falar com o Governo, depois de já ter classificado o caso de "inaceitável".
28 de Dezembro de 2009 às 00:30
Brisa diz que aumento resulta de acordo em 2008 com o Governo
Brisa diz que aumento resulta de acordo em 2008 com o Governo FOTO: A-GOSTO.COM

O porta-voz da Brisa, Franco Caruso disse à TSF que "os aumentos das taxas de portagem na A2 e na A12 se devem a um aumento da extensão que está sujeita a pagamento de taxa de portagem, em termos que foram negociados entre a Brisa e o Governo quando foi feita a última revisão do contrato de concessão, no final de 2008". Isto depois de o Executivo ter dito que o aumento era decidido pela concessionária.

No sublanço Palmela-Nó de Setúbal, onde não eram cobradas portagens, vai passar a ser cobrada uma taxa que varia entre os cinco cêntimos, para os veículos ligeiros (classe 1) e os 20 cêntimos, para os veículos de classe 4. Entre o Montijo e o Pinhal Novo, o preço das viagens dos veículos de classe 1 vai aumentar cinco cêntimos, ou seja 85 cêntimos.

O deputado do PSD Luís Rodrigues, que vai entregar uma pergunta no Parlamento sobre o tema, declarou ontem ao Correio da Manhã que é preciso saber o que foi acordado entre Governo e Brisa. E concluiu que, se "foram cumpridas as regras", é um "erro" e promete fazer tudo para o corrigir.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)