Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Costa responde ao PSD com ausência do diabo

Fim do défice excessivo “não é o paraíso, mas seguramente não é o inferno”.
Janete Frazão 24 de Maio de 2017 às 01:30
António Costa
António Costa
Luís Montenegro
Luís Montenegro
António Costa
António Costa
Luís Montenegro
Luís Montenegro
António Costa
António Costa
Luís Montenegro
Luís Montenegro
A boa nova vinda de Bruxelas provocou uma guerra de louros na Assembleia da República. A saída do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) dominou o bate boca entre o Governo e o PSD no debate quinzenal, com o primeiro-ministro a ressuscitar o diabo. "Revertemos as políticas [do anterior Governo] e ainda saímos do Procedimento por Défice Excessivo. Não é o paraíso, mas seguramente não é o inferno", disse António Costa.

A reação do chefe do Governo surgiu depois de uma intervenção de Luís Montenegro, em que o líder parlamentar do PSD acusou o Governo de viver "à custa da boa herança" deixada pelo anterior executivo e defendeu que é preciso "não desbaratar o esforço feito". Na resposta, Costa afirmou que, com "uma política diferente", foram alcançados "outros resultados". "As reformas de que a sua bancada gosta fazem parte da cartilha que conduziu o País ao empate."

A deixa foi aproveitada por Montenegro que trouxe ao debate o nome do ex-primeiro-ministro José Sócrates, com a entrega a Costa de uma resolução do Conselho de Ministros de 2010 com medidas contra a crise. "A bíblia da austeridade socialista", ironizou.

Acusações à parte, o primeiro-ministro advertiu que é "estreita" a margem do País após a esperada saída do PDE, adiantando que apenas se aplicará a 2018 e que o País tem de avançar "com segurança". 

Governo recusa despedimentos na PT      
"O Governo não vai dar autorização para esses despedimentos." A garantia foi dada ontem por António Costa em resposta a Heloísa Apolónia, d’Os Verdes, quando questionado sobre um eventual despedimento por parte da Altice de cerca de três mil trabalhadores na PT.

O primeiro-ministro considera que "nada o justifica". Patrick Drahi, fundador da Altice, garantiu depois que "não há um plano de saídas massivas para Portugal." 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)