Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

DIRIGENTES SOCIALISTAS EM TEMPO DE ANTENA DA CGTP

A participação de dirigentes socialistas num tempo de antena da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), que vai para o ar logo à noite na TV, está a gerar algum incómodo no seio do Partido Socialista (PS).
5 de Dezembro de 2002 às 09:15
Manuel Alegre é um dos participantes no tempo de antena
Manuel Alegre é um dos participantes no tempo de antena
Neste tempo de antena, em que a CGTP vai apelar aos trabalhadores para aderirem à greve geral convocada para a próxima semana, Manuel Alegre e Narciso Miranda atacam o código laboral, solidários com a central sindical.

Esta participação inédita de dirigentes socialistas num tempo de antena da central sindical de Carvalho da Silva ocorre apesar das posições cautelosas do PS em relação à paralisação e à não adesão à greve geral de dia 10 por parte da UGT.

Para Manuel Alegre, “o pacote laboral desfigura a democracia, põe em causa o pacto social e desequilibra por completo as leis laborais a favor das entidades patronais”, pelo que é “um regresso ao passado e um ajuste de contas com os trabalhadores”.

Assim sendo, o histórico socialista defende que a luta sindical dos trabalhadores é “uma luta justa para que Portugal continue a ser uma democracia moderna em que os direitos sociais são inseparáveis dos políticos”.

Por sua vez, Narciso Miranda, considera “errado” alguém pensar que é através de uma proposta de código de trabalho que se vão resolver os problemas estruturantes do País.

Para o líder do PS Porto, para resolver os problemas de produtividade não bastam apenas estes mecanismos, mas sim uma “evolução inteligente e construtiva” com mais empresários e menos patrões.

Também Narciso Miranda compreende as lutas sindicais, saudando o trabalho da CGTP na “defesa intransigente dos mais elementares direitos dos trabalhadores”.
Ver comentários