Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país

Frente-a-frente intenso e com mais pontos de divergência do que o primeiro debate entre o secretário-geral do PS e líder do PSD.
Lusa 23 de Setembro de 2019 às 11:39
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país
Costa e Rio travam debate cerrado sobre modelo económico do país

Os líderes do PS e PSD travaram esta segunda-feira um debate cerrado sobre o modelo económico nacional, com Rui Rio apreensivo com o desequilíbrio do saldo externo e António Costa a defender que há mais investimento e modernização.

Este segundo e último frente-a-frente promovido pelas rádios Antena 1, Renascença e TSF, na Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa, foi mais intenso e ainda com mais pontos de divergência do que o primeiro debate entre António Costa e Rui Rio, nas televisões, na semana passada.

Ao longo de cerca de 75 minutos de debate, o secretário-geral socialista e o presidente do PSD praticamente só concordaram com a ideia de que uma solução do "Bloco Central", juntando os dois maiores partidos portugueses numa solução de Governo, é nefasta para a democracia, porque enfraquece as alternativas políticas.

Em relação ao modelo económico do país, o presidente do PSD falou sobre uma degradação contínua do saldo externo português, que era positivo em 2016, mas que passou a ser negativo no primeiro semestre deste ano.

Rui Rio disse mesmo que foi a degradação do saldo externo que motivou o pedido de assistência financeira, com a entrada da "Troika" em Portugal, em 2011, embora aqui tenha ressalvado que o país se encontra distante de um cenário desse tipo.

O secretário-geral do PS contrapôs que as empresas portuguesas estão a ganhar quota de mercado no plano externos, e que o grosso das importações são resultado de um esforço de investimento e de modernização da economia portuguesa e não de qualquer aumento drástico do consumo. Como exemplo, referiu que 77% do total de importações agora verificado se deveu à compra pela TAP de novos aviões.

António Costa adiantou mesmo que, para o debate desta noite, entre todos os líderes partidários com representação parlamentar, levará dados desagregados sobre o perfil importações no primeiro semestre do corrente ano, e citou dados do Banco de Portugal que indiciam para breve uma reposição do equilíbrio ao nível do saldo externo.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)