Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Fernando Nobre critica cortes na Educação

O candidato presidencial Fernando Nobre criticou hoje os cortes orçamentais que significam que o sector da educação vai ter menos 800 milhões de euros este ano e pediu a Governo e professores para retomarem o diálogo.

17 de Janeiro de 2011 às 13:45
Fernando Nobre diz que os cortes vão custar milhares de postos de trabalho
Fernando Nobre diz que os cortes vão custar milhares de postos de trabalho FOTO: Luís Forra/Lusa

Após uma reunião com sindicatos do sector, na sede da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Fernando Nobre afirmou que "não é entendível" que se tirem "803 milhões de euros" à educação no Orçamento do Estado deste ano quando se pretende que seja "um desígnio nacional".  

Sobretudo quando esses cortes e a redução de horários que implica significam que "30 mil postos de trabalho" podem estar em risco, salientou.  

"Num momento em que o desemprego já é uma chaga nacional e em que gostaríamos de aumentar a qualidade do nosso ensino, acho que esta é uma medida que vai em sentido contrário", declarou.  

Fernando Nobre reiterou que "não tem cabimento" que "30 mil professores" possam ir para o desemprego se as medidas entrarem em vigor.   

Por seu lado, o dirigente sindical Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, afirmou aos jornalistas ter pedido reuniões com todos os candidatos presidenciais e que Cavaco Silva foi o único que ainda não respondeu.  

O sindicalista referiu que na última legislatura a plataforma sindical dos professores pediu várias reuniões que nunca aconteceram, "provavelmente por razões de agenda".  

Cavaco Silva Fernando Nobre Educação Eleições Eleições presidenciais Presidente Mário Nogueira Fenprof
Ver comentários