Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

FORAM DE NOITE DAR CORDA AO RELÓGIO

Alguém, na sexta-feira à noite ou no sábado de madrugada, avisado da visita o líder do PS, Ferro Rodrigues, foi dar a corda ao relógio do Polis da Costa de Caparica, para assim negar que o programa de reabilitação urbana está parado.
28 de Setembro de 2003 às 00:00
Quando Ferro chegou à Costa, já o relógio do Polis estava a andar
Quando Ferro chegou à Costa, já o relógio do Polis estava a andar FOTO: Manuel de Almeida/Lusa
"Esta coisa do relógio ter sido arranjado ontem à noite antes de nós virmos para cá não adianta nada porque o Polis está parado"- declarou Ferro Rodrigues, pouco depois de ter iniciado a visita à Costa, terceiro dia de um périplo por várias regiões do País para mostrar que "Portugal está parado".
Acompanhado por vários dirigentes socialistas, entre os quais Jorge Coelho, Pedro Silva Pereira, José Magalhães, Maria Santos e Joel Hasse Ferreira, Ferro começou o passeio em Santo António de Caparica, deslocando-se por um carreiro que atravessa a mata até à chamada praia do CDS.
O líder do PS manifestou-se chocado com o estado das matas, os bairros de barracas que se ergueram junto aos parques de estacionamento das praias e com a situação dos pontões, que durante anos serviram para travar o avanço do mar. Mas Ferro contestou, sobretudo, o bloqueamento do Polis, lançado durante o governo de Guterres, e que disse encontrar-se parado, no caso da Costa de Caparica. Apesar de um relógio gigante colocado junto à praia do CDS indicar que "só faltam 1191 dias...para o fim das obras", o líder do PS constatou que o Polis se encontra "completamente paralisado" na Costa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)