Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

FREITAS DO AMARAL DEFENDE FIM DO COMPLEXO IMPERIAL

Freitas do Amaral, outra das personalidades portuguesas presentes no Congresso da Democracia, que decorreu esta quinta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, defendeu que Portugal deve a sua participação militar em missões de paz e cortar nas compras de material bélico e manutenção de embaixadas para dar prioridade à melhoria das condições de vida dos portugueses.
11 de Novembro de 2004 às 17:48
Freitas do Amaral, o fundador do CDS defendeu que Portugal deve terminar com as intervenções no estrangeiro, com excepção na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, criar um Ministério da Cooperação e dar prioridade aos países africanos de expressão portuguesa e à União Europeia.
Freitas considera, que a participação portuguesa em conflitos internacionais é um "regresso das caravelas" que não encaixa na dimensão portuguesa. Por isso, defende que os portugueses devem acabar com o "complexo imperial".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)