Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Grandes lucros empatam acordo

PS acusa Governo de favorecer as maiores empresas. Semana decisiva para a reforma.
16 de Dezembro de 2013 às 14:49
Luís Montenegro (PSD) e Alberto Martins (PS) debatem IRC
Luís Montenegro (PSD) e Alberto Martins (PS) debatem IRC FOTO: Mário Cruz/Lusa/João Cortesão

O argumento do PS para negociar a reforma do IRC está escolhido: o Governo quer penalizar as pequenas e médias empresas (PME) com a proposta do IRC, favorecendo as grandes companhias. Segundo as contas do PS, as propostas socialistas podem levar uma PME a poupar 1562 euros com lucros de 12 500 euros, contra a versão do Governo, em que a mesma empresa teria de desembolsar para o Estado mais 500 euros. Isto numa lógica em que o Executivo pretendia aplicar uma taxa de 23 por cento em 2014 contra os 12,5 por cento pedidos pelo PS. Este é um dos pontos decisivos da reforma para haver acordo.

Outro exemplo prático dado pelo PS é o caso da EDP. A empresa pouparia cerca de 20 milhões de euros num ano, enquanto uma empresa que tenha dez mil euros de lucro pouparia apenas 200 euros de impostos.

O líder do CDS-PP, Paulo Portas, reiterou, entretanto, disponibilidade total do Governo para chegar a um acordo sobre a reforma do IRC.

Esta semana é decisiva para se chegar a um consenso e a reforma do IRC deverá ir a votos até ao próximo dia 20.

contas PS PSD IRC propostas comparação Governo consenso reforma
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)