Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Insultos e duelo aceso entre Passos e Costa

Transferências para paraísos fiscais incendeiam debate quinzenal no Parlamento.
José Castro Moura 9 de Março de 2017 às 01:30
António Costa
Passos Coelho
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
António Costa
Passos Coelho
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
António Costa
Passos Coelho
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
A tensão entre o líder do PSD e o primeiro-ministro traduziu-se ontem numa acesa troca de insultos em pleno debate quinzenal, na Assembleia da República.

Depois do episódio de há quinze dias, em que Passos Coelho se exaltou no plenário mas de microfone fechado, desta vez tudo se passou às claras. O líder social-democrata recorreu à defesa da honra para dizer que "há limites para a desonestidade no debate político". "Nunca ouvi um primeiro-ministro ofender gratuitamente tantas pessoas ao mesmo tempo."

Na resposta, António Costa acusou Passos de "encenar mais um episódio sobre a crispação e degradação do ambiente parlamentar" por "não estar satisfeito com o clima de paz social no País" e de "cooperação". O que há, concluiu Costa, "é uma bancada ressabiada por não suportar os sucessos do País".

O verniz entre os dois principais protagonistas do país político estalou por causa do caso das transferências de capitais para paraísos fiscais.

O líder do PSD acusou o primeiro-ministro de "enlamear" o anterior executivo. "Não existe nas transferências para offshores nada que envolva a responsabilidade política do anterior governo", argumentou Passos, para quem "mais de metade do que supostamente não passou pelo crivo do Fisco devia ter passado já depois de o Governo que liderou ter cessado funções". E exigiu, por isso, um pedido de desculpas de Costa, o que levou o primeiro-ministro a mostrar-se surpreendido com a "desfaçatez" de Passos. Só Catarina Martins, do BE, se envolveu na discussão. "Não fica bem à Assembleia e ninguém percebeu o que se passou."

Outro dos temas que marcaram o debate foi a supervisão bancária, com Bloco e Verdes a insistirem que Carlos Costa não tem condições para ficar no cargo. O primeiro-ministro repetiu que o Governo vai continuar a trabalhar com o governador e anunciou que a reforma da supervisão bancária é explicada hoje por Mário Centeno.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)