Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Jardim diz que “Portugal faz sempre sentido”

O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse nesta segunda-feira que "Portugal faz sempre sentido", mas alertou que o país está a pagar por não ter percebido que o regime político era "inadequado".  
10 de Junho de 2013 às 12:00

No final da cerimónia de homenagem às comunidades portuguesas junto ao monumento ao emigrante madeirense, no Funchal, questionado se justifica assinalar-se Portugal face ao atual momento do país, Alberto João Jardim respondeu: "Portugal faz sempre sentido".

"Agora não há dúvidas de que Portugal paga, neste momento, as culpas de não ter percebido a tempo que o regime político era inadequado", declarou.

Confrontado com as palavras do Presidente da República, Cavaco Silva, que no sábado considerou que o país enfrenta "uma hora decisiva" e atravessa "um momento" em que não se pode "vacilar", o chefe do executivo insular respondeu: "Para mim não é [esse recado] porque eu nunca vacilei na vida".

Sobre as palavras do Representante da República para a Madeira, que hoje questionou a ausência de direito de voto nas eleições para as assembleias legislativas dos emigrantes nascidos nas regiões autónomas, Alberto João Jardim disse concordar, "se todos tivessem as mesmas possibilidades de voto".

"Só que os votos são nos consulados e a maior parte dos [emigrantes] madeirenses estão dispersos por áreas onde não há consulados", advertiu, considerando que, desta forma, "estar-se-ia a violar o princípio da igualdade que é um princípio constitucional, o acesso ao direito ao voto".

Para Alberto João Jardim, a votação "só é viável se se admitir o voto por correspondência, aí todos poderiam votar".

"Fazer só como se faz agora nas eleições nacionais, o voto presencial nos consulados, isso só vai abranger, não o universo eleitoral todo, como manda a Constituição, mas as pessoas que têm a facilidade de estar perto de um consulado", adiantou.

Para o presidente do Governo Regional da Madeira, trata-se de "um princípio positivo, mas para ser efetivo e eficaz precisa de ser encontrada uma fórmula de voto que abranja todos sem exceção".

alberto joão jardim dia de portugal madeira governo constituição
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)