Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Jerónimo de Sousa ataca Presidente

Jerónimo de Sousa atacou ontem o Presidente da República, Jorge Sampaio, o qual “deveria ter tido um papel de diálogo, de congregar associações, Governo e forças interessadas” para ultrapassar o conflito vivido entre os militares e o Governo, no final de 2005.
10 de Janeiro de 2006 às 00:00
Numa visita à Associação dos Deficientes das Forças Armadas, o ex-combatente na Guiné disse que “os jovens nunca entenderão o drama que era ser-se forçado a ir para uma guerra injusta”.
Fernando Carvalho, militar deficiente, que tem uma perna amputada, emocionou-se: “Só deixo de sofrer quando morrer.”
MELHOR
A recepção emotiva dos ex-militares ao ex-combatente.
PIOR
Ao 2.º dia de campanha, só um contacto com o povo.
PROMESSA
“Repor uma certa justiça em relação aos militares portugueses.”
SECRETO
PONTUAL
Jerónimo chegou à Associação dos Deficientes das Forças Armadas às 9h57. Como o encontro estava marcado para as 10h, esperou três minutos para entrar no edifício.
CAVACO
A sede da ADFA foi inaugurado por Cavaco.
LÍNGUA AFIADA
"O Presidente da República pode condicionar as políticas governamentais." (Jerónimo de Sousa)
AGENDA
Torres Novas (11h30) é o primeiro ponto de paragem do candidato Jerónimo de Sousa. Viaja depois para Almeirim (14h30), Couço (17h30) e Chamusca (20h00).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)