Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Jerónimo de Sousa: Requisição civil seria "gravíssima"

O secretário-geral do PCP declarou este sábado que será "gravíssimo" que venha a confirmar-se a hipótese admitida pelo ministro da Saúde de proceder à requisição civil da classe médica para quarta e quinta-feira, dias para os quais está agendada a greve.

7 de Julho de 2012 às 14:50
"O direito à greve é um direito constitucional consagrado que não dá margem para dúvidas", disse Jerónimo de Sousa
'O direito à greve é um direito constitucional consagrado que não dá margem para dúvidas', disse Jerónimo de Sousa FOTO: EPA

"Isso seria gravíssimo", afirma Jerónimo de Sousa. "O direito à greve é um direito constitucional consagrado que não dá margem para dúvidas".

Em entrevista ao ‘Expresso’, o ministro da Saúde, Paulo Macedo afirmou que a hipótese de uma requisição civil está sempre em cima da mesa, desde que se trate de uma "situação extrema" que ponha a saúde dos portugueses "em risco".

Defendendo que, "na sua greve, os médicos respeitarão os serviços mínimos das situações de emergência e urgência", o líder dos comunistas afirma que "o que o ministro da Saúde devia dizer é porque é quer liquidar as carreiras médicas, levando a um golpe profundo no Serviço Nacional de Saúde".

Para Jerónimo de Sousa, "esta greve dos médicos não é por interesses meramente profissionais", mas está também relacionada "com a defesa do Serviço Nacional de Saúde e dos interesses dos utentes".

"Imagine-se um Serviço Nacional de Saúde sem médicos especialistas, de médicos generalistas pagos a um preço à hora quase ao nível desses que agora têm vindo a lume em relação aos enfermeiros", observa o secretário-geral do PCP. "Isso tem um significado profundo - é a destruição do Serviço Nacional de Saúde".

jerónimo de sousa paulo macedo pcp classe médica greve requisição civil
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)