Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Jerónimo de Sousa: "Sócrates é pé-de-chumbo” (COM VÍDEO)

Líder do PCP diz que o PS prefere dançar com a Direita e que está amarrado ao acordo com a troika, que é o caminho para o desastre.
26 de Maio de 2011 às 00:30
Jerónimo de Sousa, CDU, PCP, Secretário-geral, Legislativas, Eleições, Manuela Moura Guedes, Paulo Pinto Mascarenhas
Jerónimo de Sousa, CDU, PCP, Secretário-geral, Legislativas, Eleições, Manuela Moura Guedes, Paulo Pinto Mascarenhas FOTO: Pedro Catarino

Correio da Manhã - Fez o antigo curso industrial e começou a trabalhar aos 14 anos, como afinador de máquinas. O que pensa do programa Novas Oportunidades, que tem sido tão discutido?

Jerónimo de Sousa - Eram duas coisas diferentes. Devido à primeira triagem depois da primária, ou se ia para o liceu ou para o curso industrial ou se ia trabalhar. Um curso industrial era como um complemento, um curso técnico.

- Mas concorda com o PSD ser necessária uma auditoria externa ao programa Novas Oportunidades?

- Pode fazer-se, como são necessárias outras auditorias.

- Pode, ou é necessário?

- Pode. Tudo o que seja transparência e verificação de como é que as verbas, designadamente dos fundos comunitários imensos que vieram... creio que se justifica. Não é só olhar para os resultados, ver como se chegou a essa situação. Sem essa dramatização que o PSD está a fazer, mas era importante sabermos como é que verbas que foram importantes em termos de montante tiveram depois efeitos práticos e concretos para o desenvolvimento do nosso país e para a criação de mais emprego.

- Mas não acompanha nas críticas de que foi uma acção de propaganda do PS e do Governo?

- Eu insisto muito nesta ideia. Obviamente que há, da parte do PS, do Governo do PS, uma tentativa de aproveitamento, de sobrevalorização, de agitar permanentemente com essas centenas de milhar de jovens, e não só jovens. Descontando a propaganda, penso sempre nas pessoas que fizeram os cursos, que também têm elas muitas vezes uma opinião crítica, porque a esperança do mercado de trabalho desvaneceu--se. Há o aproveitamento político do Governo do PS, mas também um sentimento de auto-estima de quem andou nesses cursos.

- O senhor é conhecido por ser um bom dançarino e deve gostar de dançar o tango. Com quem o dançava o tango: com o PS de José Sócrates ou com o BE de Francisco Louçã?

- A dança é uma expressão de alegria do ser humano e é um exercício de grande valor. Mas com parceiros desses é que pode não dar...

- Não dançaria com nenhum deles?

- São demasiado pés-de-chumbo para uma dança tão elegante...

- Então e uma dança com menos voltas e menos paixão?

- É muito difícil, porque nós olhando para o PS, neste caso concreto, e o que verificamos é o baile mandado onde ao longo de anos, por opção de fundo, este PS preferiu sempre dançar não só o tango mas todas as peças de música, com a Direita.

- Se o PS não vencer as próximas eleições e José Sócrates sair da liderança o PCP encara a possibilidade de ir para o Governo com um líder mais à Esquerda, como Ferro Rodrigues?

- Nós não concebemos esta ideia em que basta mudar de caras para resolver os problemas que o País enfrenta. Que política é que esse governo ou essa coligação vai realizar para nós é fundamental. Quando hoje nós sabemos que o PS, seja com Sócrates, seja com Ferro Rodrigues, seja com qualquer outro, está amarrado e comprometido com o chamado pacto da troika, isto é um elemento de avaliação que, bem pode o PS mudar o Sócrates. O que vemos é que tanto Sócrates quanto Ferro Rodrigues alinham pelo mesmo diapasão: prosseguir o caminho para o desastre amarrados com este pacto da troika, com o PSD e o CDS. A questão entre eles já não está no apoio a esse programa, a questão entre eles está em quem o executa.

- E ao BE, leva-o a sério?

- Com o Bloco de Esquerda convergimos muitas vezes. Isto não apaga as divergências em relação às grandes questões da União Europeia e no que se refere ao ideal, ao projecto, ao percurso deste partido e do Bloco.

- Há um percurso de aproximação entre PCP e BE, já se entenderam pior. O BE era um movimento com questões mais sociais...

- Essa é uma indefinição que nos dificulta: a avaliação do que é que é o Bloco, é partido, é movimento, é partido-movimento? Tem projecto ou tem causas?

- Algumas causas do BE foram roubadas pelo Partido Socialista...

- O BE apresentou iniciativas no Parlamento com valor, que aliás teve o nosso voto a favor, mas depois sobra tudo o resto de indefinição na concepção do partido. Temos muitas vezes convergido, mas daí a dizer que é a mesma coisa, não é...

"É NECESSÁRIO NACIONALIZAR A EDP, A GALP E TAMBÉM A REN"

CM - O programa eleitoral da CDU é a favor das nacionalizações. Se fosse primeiro-ministro, quais seriam as empresas nacionalizadas?

Jerónimo de Sousa - Era importante ler e reler a Constituição, na parte que define o nosso modelo de economia, com um forte e dinâmico sector público empresarial, com sector privado e cooperativo. A proposta do PCP não é algo de inconstitucional ou de revolucionário...

- Mas está a falar de quais empresas, da EDP, da Galp?

- Da EDP, da Galp, da REN, de muitas empresas que se estivessem nas mãos do Estado podiam alavancar e desenvolver a nossa economia. Ninguém se impressionou, desses acrisolados defensores das privatizações, com a nacionalização do BPN. O que se tratou ali foi a nacionalização dos prejuízos. Há custa do dinheiro dos contribuintes. Uma situação de especulação, de crime, o Estado foi a correr nacionalizar...

- Mas queríamos que especificasse: a EDP e a Galp seriam nacionalizadas se o PCP fosse governo?

- Obviamente num processo, não seria um acto súbito. Consideramos que era possível e necessário.

- Fazê-las regressar ao sector empresarial do Estado?

- Sim, ao sector empresarial do Estado e, pelo menos, não perder posições que o Estado tem.

- O PCP também é contra o fim das golden shares...

- Sim, claro, o Estado fica sem nenhum instrumento, nenhuma influência em empresas estratégicas para o nosso país. Nessa matéria, o PCP não está sozinho, mesmo entre pessoas insuspeitas...

- A que pessoas insuspeitas se está a referir?

- A Jacinto Nunes. No outro dia fiquei quase embasbacado. Até o ex--ministro Manuel Pinho veio dizer que era negativo. Como português sentia-se preocupado com a privatização e fim das golden shares, particularmente na área energética.

PERFIL

Jerónimo de Sousa nasceu a 13 de Abril de 1947 em Pirescoxe, Santa Iria de Azóia, em Loures, onde continua a residir. Frequentou o antigo curso industrial e começou a trabalhar aos 14 anos, como afinador de máquinas. Foi delegado sindical, chegando à direcção do Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa, em 1973. Aderiu ao PCP em 1974, partido de que é líder desde Novembro de 2004.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)