Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

João Ferreira aponta 10 falhanços a Marcelo no Congresso do PCP

Candidato presidencial alertou que as eleições de janeiro vão influenciar a vida dos portugueses, "para o bem ou para o mal".
Lusa 28 de Novembro de 2020 às 12:12
João Ferreira no congresso do PCP
João Ferreira no congresso do PCP FOTO: Lusa
João Ferreira, candidato presidencial apoiado pelo PCP, apontou este sábado dez falhas ao atual Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, e alertou que as eleições de janeiro vão influenciar a vida dos portugueses, "para o bem ou para o mal".  

Num discurso ouvido em silêncio no segundo dia do XII congresso do PCP, em Loures, Lisboa, o eurodeputado comunista falou apenas do "mal" de Marcelo durante os últimos cinco anos, sem nunca mencionar o seu nome.

Há "valores de Abril" na Constituição que o atual Presidente ignorou e teve, acusou, "uma ação que contribuiu, direta ou indiretamente, para degradar as condições de vida dos trabalhadores.

Esta foi a primeira falha, seguindo-se o que fez para "conter e nunca para promover a evolução dos salários, num país em que muitos empobrecem a trabalhar", para "por em causa o Serviço Nacional de Saúde, caucionando o desvio de recursos públicos para alimentar o negócio da doença".

Os outros falhanços, na leitura de Ferreira, foi tomar partido pelos "interesses dos grupos económicos e financeiros", lembrar-se apenas do "interior abandonado", mas "depois da catástrofe" dos incêndios e não valorizar "a Cultura e quem nela trabalha".

Por fim, Marcelo Rebelo de Sousa, "num momento crítico", ajudou a "fragilizar direitos, liberdades e garantias, intrínsecos ao regime democrático, algo que a emergência sanitária não justifica".

Ao invés, um Presidente da República deve "mobilizar o povo português" na defesa da "valorização do trabalho e dos portugueses", no reforço dos serviços público e do SNS ou ainda no "aprofundamento da democracia e no fortalecimento das suas raízes na sociedade portuguesa".

Estes são valores inscritos "nas páginas na Constituição" e não podem ser "letra morta como alguns querem", disse. 

Os problemas do país, afirmou ainda, "resolvem-se com a ação determinada" do povo.

"Um povo que aclamou o Mestre de Avis, resgatou do domínio espanhol a independência nacional, derrubou uma monarquia decrépita e instaurou a República, combateu o fascismo e forjou esse tempo luminoso de Abril, saberá encontrar e percorrer os caminhos do desenvolvimento e do progresso, que concretizem as suas mais fundas aspirações", disse.

Aplaudido de pé no início e no final, João Ferreira disse ser necessário "abrir um horizinte de esperança na vida deste país" nestas eleições.

"Seja pelo conteúdo concreto dos poderes do Presidente da República, seja pela dinâmica que estas eleições comportam e induzem, elas não deixarão de influenciar significativamente, para o bem ou para o mal, o curso da vida nacional", alertou o candidato presidencial do PCP.

Ver comentários