Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Júdice mandatário de António Costa

Candidato do PS apresenta hoje os seus trunfos de campanha: Júdice e Saldanha Sanches. Fernando Negrão quer uma autarquia sem promiscuidadese cortar nos assessores.
17 de Maio de 2007 às 00:00
José Miguel Júdice abandonou recentemente o PSD, desiludido com a política
José Miguel Júdice abandonou recentemente o PSD, desiludido com a política FOTO: D.R.
José Miguel Júdice será o mandatário de campanha do candidato socialista António Costa e estará hoje ao lado do ex-ministro na apresentação da sua candidatura. Júdice foi bastonário da Ordem dos Advogados e militante do PSD até há poucos meses. Na altura, revelou-se descontente com o rumo seguido pelos sociais-democratas e pelos partidos em geral, depois de vinte e seis anos de militância, tendo pertencido à tendência interna do PSD ‘Nova Esperança’.
O nome de Júdice como mandatário de Costa foi avançado ontem no ‘Expresso’ e confirmado ao CM por fonte da direcção do PS. Saldanha Sanches será o mandatário financeiro e Manuel Salgado também deverá integrar lista.
Cerca de 24 horas após ter recebido o convite, Fernando Negrão apresentou-se ontem como candidato do PSD à Câmara de Lisboa e definiu cinco objectivos, num discurso com claras farpas a Carmona Rodrigues e a António Costa. Para uma Câmara “sem suspeitas e sem promiscuidades”, o candidato do PSD garantiu que, caso seja eleito, irá assumir “pessoalmente o pelouro do Urbanismo”. Mais: “Quero uma Câmara a dar exemplos [...] promoverei, por isso, uma redução drástica do número de assessores.”
Negrão assegurou ainda que não aceitará o projecto da Ota e não deixou de lançar uma farpa ao adversário socialista sobre “a situação muito difícil da Câmara”, que se agravou com a Lei das Finanças Locais. “Lei da autoria do ministro António Costa que depois de diminuir as receitas da Câmara de Lisboa se propõe, agora, veja-se bem, defender Lisboa e os lisboetas”, afirmou na apresentação da sua candidatura no Centro Cultural de Belém, com a presença de Marques Mendes.
Sobre a possibilidade de vir a ser constituído arguido no caso das reformas compulsivas na Câmara de Setúbal, Negrão esclareceu: “Não fui constituído arguido.” De realçar que o candidato está recenseado em Setúbal, onde, aliás, foi candidato nas últimas eleições autárquicas.
No PSD, a ordem é para não falar. Mas, se o resultado eleitoral for negativo, há vozes que clamam por um congresso extraordinário.
Para Lisboa estão já confirmadas sete candidaturas: Fernando Negrão (PSD), António Costa (PS), Carmona Rodrigues, Helena Roseta, Ruben de Carvalho (CDU), Sá Fernandes (BE) e Manuel Monteiro (PND).
CARMONA FAZ ANÚNCIO HOJE
O presidente cessante da Câmara de Lisboa deverá anunciar hoje a sua decisão sobre se entra na corrida às intercalares. Carmona Rodrigues terá estado até á última hora indeciso em relação a esta candidatura, mas, apoiado pelo seu núcleo duro, decidiu avançar. Mesmo antes do anúncio oficial desta candidatura, Carmona Rodrigues já tem um site de apoio à campanha em www.lisboacomcarmona.net.
RUBEN ATACA CANDIDATO PS
O cabeça de lista a CDU à Câmara de Lisboa, Ruben de Carvalho, acusou ontem o candidato do PS, António Costa, de ser “um inimigo do Poder Local”. Numa sessão pública que serviu para lançar a candidatura da CDU, Ruben de Carvalho sublinhou: “Foi quem conduziu no Governo de Sócrates uma brutal ofensiva contra o Poder Local democrático, contra os seus eleitos e seus trabalhadores.”
APONTAMENTOS
MANUEL MONTEIRO
O presidente do Partido Nova Democracia, Manuel Monteiro, anunciou ontem que também será candidato às eleições intercalares para a Câmara de Lisboa.
REUNIÃO DO PS
António Costa esteve ontem reunido com os vereadores socialistas cessantes. O candidato esteve acompanhado pelos secretários nacionais Marcos Perestrello e Miranda Calha e Ana Sara Brito e José Vitorino, indicados para a comissão administrativa da Câmara.
ANMP TEM ESPERANÇA
A Associação Nacional de Municípios Portugueses manifestou esperança na evolução das matérias que está a discutir com o Governo, apesar da saída do ministro António Costa. O presidente, Fernando Ruas, diz que a preocupação da ANMP é ver os assuntos resolvidos.
ANAFRE PREOCUPADA
A Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) encara com “preocupação” a saída de António Costa do Governo, afirmando que o ministro que tutelava as autarquias “dominava a matéria”.
RUI PEREIRA ATACADO
No Parlamento, o líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, classificou ontem como “estranha” esta “dança de cadeiras” que fez sair Rui Pereira pouco tempo depois da sua eleição para o Tribunal Constitucional. Neste ponto, Luís Fazenda, do BE, secundou-o.
NOTAS
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL
O Tribunal Constitucional não tomou ontem qualquer decisão sobre o recurso de Helena Roseta
ALBERTO MARTINS
Alberto Martins (PS) rejeitou ontem as críticas da oposição à saída de António Costa do Governo
VITALINO CANAS
O porta-voz do PS, Vitalino Canas, considerou ontem impraticável uma coligação pré-eleitoral à esquerda
JERÓNIMO DE SOUSA
O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu ontem que o PS tem “pouco crédito” para governar Lisboa
ANTÓNIO COSTA
O candidato do PS faz hoje uma declaração sóbria às 18h00 no Centro Cultural de Belém, fora do horário nobre
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)