Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Leão promove Fisco e repesca governantes

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, sobe a adjunto.
Diana Ramos 13 de Junho de 2020 às 09:35
João Leão toma posse como ministro do Estado e das Finanças no dia 15
António M. Mendes sobe a adjunto e mantém Assuntos Fiscais
Cláudia Joaquim substitui Leão no Orçamento
João Nuno Mendes fica com pasta  das Finanças
Miguel Cruz fica com o Tesouro
João Leão toma posse como ministro do Estado e das Finanças no dia 15
António M. Mendes sobe a adjunto e mantém Assuntos Fiscais
Cláudia Joaquim substitui Leão no Orçamento
João Nuno Mendes fica com pasta  das Finanças
Miguel Cruz fica com o Tesouro
João Leão toma posse como ministro do Estado e das Finanças no dia 15
António M. Mendes sobe a adjunto e mantém Assuntos Fiscais
Cláudia Joaquim substitui Leão no Orçamento
João Nuno Mendes fica com pasta  das Finanças
Miguel Cruz fica com o Tesouro
O futuro ministro das Finanças, João Leão, já fechou a equipa, promovendo a adjunto o até aqui secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. E repesca dois nomes do passado: Cláudia Joaquim, que foi braço-direito de Vieira da Silva, e João Nuno Mendes, que trabalhou com Elisa Ferreira. Já Miguel Cruz sobe da Parpública para o Tesouro.

António Mendonça Mendes era, até aqui, o número 4 das Finanças. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que lidera a federação distrital de Setúbal do PS e é irmão da secretária-geral adjunta, mantém a pasta mas é promovido na hierarquia.

Cláudia Joaquim, que assumirá a pasta do Orçamento, foi secretária de Estado da Segurança Social no último Executivo de António Costa, tendo feito entretanto uma curta passagem pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Tem 45 anos e é licenciada em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG). Participou no Fórum de Políticas Políticas do ISCTE, foi assessora parlamentar do PS e, entre 2010 e 2012, subdiretora-geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério da Solidariedade e Segurança Social.

Já João Nuno Mendes é um dos 12 economistas que prepararam o programa económico do PS no primeiro Executivo de Costa. Tem 47 anos, também é licenciado em Economia pelo ISEG e foi secretário de Estado do Planeamento entre 1999 e 2002. Geriu o terceiro Quadro Comunitário de Apoio em Portugal. Trilhou depois caminho pelo setor privado, desempenhando funções na Galp de 2007 a 2016, altura em que foi nomeado presidente da Águas de Portugal.
Tem sido o representante do Governo junto de Bruxelas, para as negociações sobre a TAP. Fica agora com a pasta das Finanças.

Miguel Cruz, tem 53 anos, é licenciado pela Católica e doutorado em Economia pela London Business School. Era até aqui presidente da Parpública, tendo passado pelo IAPMEI. A tomada de posse é na segunda-feira.

SAIBA MAIS
4
remodelações ministeriais foram levadas a cabo por António Costa no anterior Executivo. A primeira consumou-se com a saída de João Soares da Cultura. Houve duas particularmente marcantes: a saída de Constança Urbano de Sousa após os incêndios de 2017 e a de Azeredo Lopes após o caso de Tancos.

Maior peso político
Os nomes que agora entram nas Finanças têm maior ligação ao PS do que os que saem. Álvaro Novo, Ricardo Mourinho Félix e Mário Centeno eram funcionários do Banco de Portugal.
Ver comentários