Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Líder do CDS-PP diz há condições para entendimento com PSD e aponta às autárquicas

Francisco Rodrigues dos Santos esteve no encerramento do 38.º Congresso do PSD, em Viana do Castelo.
Lusa 9 de Fevereiro de 2020 às 16:06
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
Francisco Rodrigues dos Santos e Rui Rio
O presidente do CDS-PP considerou este domingo que "estão criadas condições" para criar uma plataforma de entendimento com o PSD, defendendo "uma aliança alargada" a pensar nas próximas autárquicas" para ganhar "o maior número de câmaras ao PS".

Francisco Rodrigues dos Santos, recentemente eleito líder do CDS-PP, esteve hoje no encerramento do 38.º Congresso do PSD, em Viana do Castelo, tendo falado aos jornalistas já depois de ter cumprimentado o presidente reeleito social-democrata, Rui Rio, no palco da reunião magna.

"Através do discurso de Rui Rio e até dos reptos que foram sendo lançados pelo CDS após o nosso último congresso, estão criadas condições para que seja criada esta plataforma de entendimento", defendeu.

Na perspetiva do presidente do CDS-PP, "é importante que haja uma aliança alargada a pensar já nas próximas eleições autárquicas de modo a que PSD e CDS consigam ganhar o maior número de câmaras a ao PS".

"E muito brevemente, portanto a curto prazo, convidamos o PSD a juntar-se ao CDS no combate pela vida, contra a eutanásia para que o estado tenha um papel humanista, que não desista das pessoas e não olhe para a vida como um valor que pode ser descartado", desafiou.

Francisco Rodrigues dos Santos fez questão de sublinhar que, no discurso de encerramento, "as palavras de Rui Rio foram simpáticas" e "o CDS mereceu uma nota particular".

"O CDS, embora tenha reparado que o PSD esteja a adotar uma estratégia rigorosamente ao centro, eu não vejo que isso seja prejudicial para o CDS na medida em que o CDS e o PSD não são partidos substitutivos um do outro, mas sim complementares", apontou, reagindo já ao posicionamento ao centro reafirmado por Rui Rio no congresso após a reeleição.

Na perspetiva do líder do CDS-PP, certamente que os dois partidos se vão encontrar "para apresentar uma solução que Governo que possa estreitar pontes e construir soluções alargadas para reformar o nosso país".

"O CDS tem no PSD o seu parceiro tradicional. Queiramos em conjunto construir esta relação com base num cooperação institucional, baseada num diálogo construtivo, estruturado, leal e de confiança recíproca", afirmou.

Francisco Rodrigues dos Santos recordou que o CDS-PP "não iniciou as visitas de cumprimentos institucionais a nenhum outro partido precisamente porque queria começar pelo PSD".

"Iniciaremos na próxima semana essa ronda de conversações com o PSD, tendo a tónica de parceiro preferencialmente do CDS", antecipou.

CDS-PP PSD PS Rui Rio CDS política partidos e movimentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)