Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Louçã desafia nova maioria

O dirigente do Bloco de Esquerda Francisco Louçã foi o primeiro líder partidário a comentar os resultados das legislativas deste domingo. Com um discurso de vitória, por ter sido o partido que mais subiu nas urnas, o dirigente bloquista lançou de imediato dois desafios ao governo de maioria absoluta que o PS vai formar.
20 de Fevereiro de 2005 às 21:24
Com um ar de visível satisfação, Louçã declarou aberto em Portugal um novo ciclo político, afirmando que o PS ganhou as legislativas com maioria absoluta e que o BE contribuiu para a derrota da direita.
O Bloco de Esquerda foi a força política que mais cresceu nestas eleições e Francisco Louçã quis sublinhar esse facto. O dirigente bloquista referiu que o BE começou em 1999 com cerca de 60 mil votos, subiu para cerca de 155 mil nas legislativas de 2002 e ultrapassou os 300 mil nas legislativas deste domingo. De acordo com Louçã - à hora desta notícia - o BE já tinha conseguido a eleição de 4 deputados em Lisboa e disputava um quinto; elegeu 2 deputados em Setúbal e outros dois no Porto e disputava a eleição do seu primeiro deputado por Braga.
Apesar deste resultado, o Bloco de Esquerda não se tornou na tal força parlamentar na qual o PS poderia apoiar-se caso não tivesse obtido maioria absoluta. Nesse sentido, Louçã alertou o PS para a responsabilidade que lhe foi confiada nas urnas e colocou de imediato dois desafios ao futuro governo de José Sócrates. Primeiro, pediu que esse governo concentre toda a política económica e social no combate ao desemprego, à exclusão e à pobreza. Segundo, anunciou que o BE vai apresentar dentro de duas semanas, na Assembleia da República, um projecto-de-lei para um novo referendo ao aborto.
PÓS-ELEIÇÕES
O enorme crescimento da votação no BE, que quase triplica a sua representação eleitoral, cria novas responsabilidades ao partido, quer a nível organizativo quer político. Louçã anunciou desde já uma reformulação do funcionamento interno, que torne o Bloco mais “diverso, amplo e socialmente expressivo”, o que implica estruturar o seu funcionamento de modo a criar uma melhor implantação em todo o País.
Nesse sentido Louçã revelou que o Bloco tem “uma convenção que daqui a pouco tempo servirá precisamente para uma reflexão e para um grande impulso na estruturação interna”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)