Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

MAIORIA PSD/CDS DISPENSA BARROSO DE INQUÉRITO

A ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, afirmou ontem, na Comissão de inquérito parlamentar, que foi a administração fiscal e não o Governo que tratou do processo das dívidas fiscais do Benfica e rejeitou todas as suspeitas suscitadas pelos socialistas.
4 de Outubro de 2002 às 21:42
O PS não ficou satisfeito com as explicações da ministra e pediu a presença do primeiro-ministro na Comissão, o que foi prontamente rejeitado pela maioria PSD/CDS-PP.

“Não existe interferência do Governo na administração fiscal, o critério proposto pela Direcção-Geral de Contribuições e Impostos (DGCI), ao qual dei despacho, está previsto na lei. Não foi uma decisão inédita”, sustentou a ministra. No entanto, Fernando Serrasqueiro, deputado do PS, afirmou “estranhar” que a ministra “não tenha sentido necessidade de saber se o critério proposto pela DGCI era ou não discutível”. A ministra, visivelmente irritada com a afirmação declarou: “Não admito suspeições, não finjo absolutamente nada e ninguém me obriga a fazer nada”.
Antes de Manuela Ferreira Leite, foi ouvido também o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Vasco Valdez. O antigo advogado do Benfica no processo das dívidas fiscais acabou por, à semelhança da ministra, atribuir a responsabilidade na escolha do critério de avaliação das acções à administração tributária.

Já no final da reunião, e tal como já se disse, o PS apresentou um requerimento a pedir a audição do primeiro--ministro, de forma a esclarecer alegados contactos que Barroso manteve com o presidente do Benfica, Manuel Vilarinho, antes das eleições legislativas. Mas, PSD e PP insurgiram-se contra o requerimento dos socialistas, classificando-o como uma "pura manobra de diversão", "um sintoma de mau perder". O pedido do ex-presidente do Benfica João Vale e Azevedo à comissão de inquérito a manifestar disponibilidade para prestar declarações, formulado numa carta enviada para o Parlamento, também foi rejeitado pela maioria de centro-direita.
Ver comentários