Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Marcelo espera fundos europeus para economias que saíram de défice excessivo

Política de coesão no quadro financeiro da União Europeia para 2021-2027 vai ser apresentada esta terça-feira.
Lusa 29 de Maio de 2018 às 13:43
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente promulga lei que permite renúncia recíproca de herança
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente promulga lei que permite renúncia recíproca de herança
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente promulga lei que permite renúncia recíproca de herança
O Presidente da República afirmou esta terça-feira esperar que haja fundos europeus de apoio a economias que saíram de défices excessivos, como a portuguesa, e considerou que a proposta para a coesão é "muito melhor" que a anterior.

"Estou esperançado em que haja um fator corretivo que tem a ver precisamente com o ser bom aluno, que é, ao lado dos fundos clássicos, haver fundos para as economias que saíram dos processos de défice excessivo, estão em convergência e que merecem, portanto, apoio para as reformas estruturais", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava à saída do Museu do Combatente, em Lisboa, no final de uma cerimónia militar de homenagem aos capacetes azuis das Nações Unidas, após ser questionado pelos jornalistas sobre a proposta da Comissão Europeia para a política de coesão no quadro financeiro da União Europeia para o período 2021-2027 apresentada esta terça-feira.

"Esta nova proposta é muito melhor do que a proposta anterior. A proposta anterior previa eventuais cortes muito superiores àquele de que se fala agora, que é de 7%", começou por responder o Presidente da República, frisando: "Estamos a falar em matéria de coesão, não em matéria de política agrícola comum".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "em qualquer caso, ainda é um começo de conversa".

Em seguida, o Presidente expressou a expectativa de que haja "fundos para as economias que saíram dos processos de défice excessivo", como a portuguesa, acrescentando: "Se isso avançar, e espero bem que sim, então, a preocupação que existe neste momento, que é inferior à que já existiu, pode desaparecer".

"Portanto, isto é um caminho que se faz caminhando. Estamos melhor hoje do que estávamos naquele ponto de partida muito mau que foi o de há um mês. Vamos continuar a caminhar", concluiu.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)