Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Marcelo nos 'mínimos' mas reeleito à 1ª volta nas Presidenciais

Atual Chefe de Estado está em queda livre, após alcançar marca histórica em julho.
Janete Frazão 23 de Outubro de 2020 às 08:34
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: Lusa
Nunca Marcelo Rebelo de Sousa teve uma percentagem tão baixa nas intenções de voto para as Presidenciais de janeiro. Se as eleições fossem hoje, o atual Chefe de Estado seria reeleito à primeira volta, apesar de estar em queda livre.

Os dados do barómetro de outubro da Intercampus para o CM mostram que Marcelo renova o mandato em Belém com uns confortáveis 56,2%. Mas, se olharmos para os meses anteriores, a análise é outra: as sondagens mostram que o pico de Marcelo foi alcançado em julho com 70,8%, percentagem que supera até o recorde obtido em Presidenciais no País.

A partir daí, o atual Presidente começou a cair: 67,7% em agosto e 60,3% em setembro. Em termos de factos que possam ter contribuído para a descida até aos 56,2% entre 6 e 11 de outubro (período da sondagem) estão as declarações em que Marcelo alerta os portugueses para eventuais restrições nas festas natalícias, devido à Covid-19.
"Se é preciso repensar o Natal em família, repensa-se o Natal", disse em Braga, a 9 de outubro, altura em que as infeções já disparavam.

A sondagem mostra que a descida de Marcelo é capitalizada por Ana Gomes. A ex-eurodeputada do PS subiu nas intenções de voto: de 14% em setembro para 17,2% este mês. Se recuarmos no tempo, a evolução da candidata à esquerda é significativa: tinha 9,7% de intenções em julho e 8,7% em agosto.

Nesta análise, importa olhar para o comportamento dos eleitores em relação a André Ventura. O candidato do Chega surge na terceira posição pelo segundo mês consecutivo, com 8,2% dos votos. Uma queda de 1,2 pontos em relação a setembro (9,4%), e de 1,9 pontos face a agosto (10,1%) , mês em que alcançou o segundo lugar.

Marisa Matias, do Bloco, mantém-se em 4º lugar, com 6,1%, seguida de João Ferreira do PCP (2,6%) e Tiago Mayan (1,5%), do Iniciativa Liberal.

SAIBA MAIS
70,35%
Recorde histórico em Presidenciais foi obtido por Mário Soares em 1991. O então Chefe de Estado foi reeleito por uma esmagadora maioria de 70,35%, num ato em que teve o apoio de PS e PSD. O 2º candidato mais votado nessa eleição foi Basílio Horta (CDS) com 14,16%.

Cavaco teve mínimo
Nas eleições de 2011, Cavaco Silva foi reeleito com o apoio de PSD e CDS, mas com a percentagem mais baixa de sempre em Presidenciais: 53,14%. Manuel Alegre, candidato independente, obteve 19,67% dos votos.

FICHA TÉCNICA Objetivo Sondagem realizada pela Intercampus para o CM e a CMTV, com o objetivo de conhecer a opinião dos portugueses sobre diversos temas da atualidade nacional Universo População portuguesa, com 18 ou mais anos, eleitoralmente recenseada, residente em Portugal continental Amostra É constituída por 601 entrevistas, com a seguinte distribuição: 291 a homens e 318 a mulheres; 134 a pessoas entre os 18 e os 34 anos, 219 entre os 35 e os 54 anos e 256 a pessoas com 55 ou mais anos; 232 no Norte, 143 no Centro, 163 em Lisboa, 45 no Alentejo e 26 no Algarve Seleção da amostra A seleção do lar fez-se através da geração aleatória de números de telefone fixo/móvel. No lar a seleção do respondente foi realizada através do método de quotas de género e idade (3 grupos). Foi elaborada uma matriz de quotas por região (NUTS II), género e idade, com base nos dados do Recenseamento Eleitoral da população portuguesa (31/12/2016) da Direção-Geral da Administração Interna (DGAI) Recolha da informação Através de entrevista telefónica, em total privacidade, através do sistema CATI. Os trabalhos de campo decorreram entre 6 e 11 de outubro de 2020 Margem de erro O erro máximo de amostragem, para um intervalo de confiança de 95%, é cerca de 4,0% Taxa de resposta 62,9%
Ver comentários