Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Marcelo: "O papel do Presidente é convidar a caminhos de entendimento"

Presidente foi questionado sobre se teve alguma influência nas negociações do Governo com professores e enfermeiros.
25 de Fevereiro de 2019 às 19:26
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
O Presidente da República defendeu esta segunda-feira que o seu papel é "convidar a caminhos de entendimento", quando questionado se teve alguma influência ou envolvimento nas negociações e no diálogo do Governo com professores e enfermeiros.

"A função de um Presidente da República como entidade arbitral é convidar a caminhos de entendimento, na expectativa de que eles possam ir o mais longe possível", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, durante uma visita ao Salão Internacional do Setor Alimentar e Bebidas (SISAB), em Lisboa.

Sem responder diretamente à questão sobre o seu eventual envolvimento nas negociações com professores e enfermeiros, o chefe de Estado lembrou a intervenção que fez na quinta-feira, em que apelou a "convergências para além daquilo que parecem ser as posições estanques", perante uma plateia com representantes de várias áreas da saúde.

"Eu estava a pensar na saúde em particular, mas em geral na sociedade portuguesa os caminhos do entendimento devem ser sempre aprofundados. Depois se verá qual a capacidade de entendimento, o grau de entendimento", acrescentou.

Especificamente sobre o caso da contagem do tempo de serviço dos professores, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a "comentar o otimismo ou pessimista pré-negocial" por parte do primeiro-ministro, António Costa, e disse que a sua posição "é muito simples: é esperar".

"Esperar o resultado das negociações. Esperar para ver se se traduz numa lei ou não e esperar para ver o conteúdo da lei. E, portanto, vamos esperar e depois, em função do que venha aparecer ou não, assim decidirei", completou.

O Presidente da República irá aguardar "aquilo que durarem as negociações e que durar depois a decisão do Governo quanto a haver diploma, não haver diploma" e, se for esse o caso, "qual o diploma que faz chegar" às suas mãos.

Na quinta-feira, durante uma homenagem à farmacêutica Odette Ferreira, no Museu da Farmácia, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa deixou o seguinte apelo: "Vamos procurar as convergências para além daquilo que parecem ser as posições estanques, que são cruciais num determinado momento, e depois se chega à conclusão de que não têm importância nenhuma no fluir da história - nenhuma, rigorosamente nenhuma, a não ser momentaneamente o prazer do ego de um ou outro protagonista".

Nessa iniciativa também discursou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, e na assistência estava a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, que o chefe de Estado cumprimentou à chegada, dizendo: "Eu vejo esta senhora todos os dias, de manhã, à tarde, à noite".

Hoje, à margem da cimeira União Europeia-Liga Árabe, em Sharm el-Sheikh, no Egito, o primeiro-ministro, António Costa, assumiu "algum pessimismo" em relação ao reinício das negociações entre o Governo e os sindicatos de professores, tendo em conta as "declarações de total intransigência" do secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)