Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Ministério da Educação recomenda um novo currículo de Matemática

Relatório conta com 24 recomendações sobre o ensino, a aprendizagem e a avaliação da disciplina.
15 de Julho de 2019 às 18:36
Alunos
Professor
Alunos
Professor
Alunos
Professor
Um novo currículo de Matemática a pensar no sucesso académico dos alunos e com a possibilidade de se desenharem currículos locais adaptados aos estudantes são recomendações do relatório pedido pelo Ministério da Educação que está em discussão pública.

O Grupo de Trabalho de Matemática (GTM), criado no final do ano passado pelo Ministério da Educação, concluiu a 1.º fase do seu projeto e apresentou um relatório com 24 recomendações sobre o ensino, a aprendizagem e a avaliação da disciplina.

Na primeira versão, o GTM defende uma "elaboração urgente de um currículo de Matemática para todos os ciclos de escolaridade", desde o 1.º ao 12.º ano de escolaridade, que substitua todos os programas e metas em vigor.

Os especialistas defendem que o novo currículo deve ser desenhado tendo em conta vários aspetos como as orientações curriculares de países "cujos alunos apresentam elevado sucesso em Matemática".

Primeiro desenha-se um currículo de Matemática a nível nacional, que definirá o "núcleo comum para todos os alunos", no qual ficam estabelecidos objetivos, conteúdos matemáticos que todos deverão aprender, orientações metodológicas, recursos a usar e avaliação a praticar.

Depois, a nível local, as escolas ou agrupamentos de escolas podem detalhar e complementar o currículo nacional "atendendo às especificidades dos seus contextos" desenhando os seus próprios "documentos curriculares locais", lê-se no documento.

O GMT acredita que os documentos curriculares locais pensados pelos professores vão permitir adequar o ensino "à diversidade dos alunos e às especificidades dos contextos".

"O princípio da flexibilidade curricular e da autonomia das escolas será assim garantido, bem como a possibilidade de criação de contextos favoráveis ao desenvolvimento das competências indicadas no Perfil dos Alunos", refere ainda o GMT.

Outra das novidades é a aposta nas ferramentas tecnológicas como arma para ensinar e aprender. O uso da internet, por exemplo, deve ser visto como um aliado.

"Devem considerar-se recursos tecnológicos a que todos os alunos podem aceder livremente, como calculadoras, aplicações disponíveis na Internet, software para tratamento estatístico, para cálculo algébrico simbólico, para geometria e funções, para modelação. A Internet deve constituir-se como fonte importante de acesso a informação ao serviço ao serviço do ensino e aprendizagem da Matemática. Devem também considerar-se materiais manipuláveis que favoreçam a compreensão de conhecimentos matemáticos e a conexão entre diferentes representações matemáticas", diz o relatório.

Além da análise do currículo da Matemática, o documento apresenta também recomendações sobre as dinâmicas de desenvolvimento curricular, avaliação das aprendizagens dos alunos e formação de educadores e professores.

Para o GMT, os processos de mudança curricular devem ser acompanhados por dispositivos de regulação e apoiados com programas de formação de educadores e professores e com recursos adequados.

Sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos, o GMT recomenda práticas de avaliação formativa nas aulas de Matemática, "contribuindo para a aprendizagem matemática e não possibilitando a retenção sem ser nos finais de Ciclo".

Na avaliação externa, recomenda-se que as provas sejam alinhadas com os focos essenciais da aprendizagem matemática e ainda que sejam comparáveis ao longo do tempo. A garantia dessa comparabilidade deve ser assegurada nas provas de aferição e não nos exames, lê-se no relatório que analisou um conjunto de documentos produzidos ao longo dos últimos trinta anos em Portugal.
Ministério da Educação educação Matemática ensino
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)