Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Ministro da Defesa diz que Forças Armadas devem preparar-se para mais missões de apoio civil

João Gomes Cravinho defendeu que é preciso estar preparado para combater futuras emergências sanitárias, afirmando que estas missões serão "crescentes".
Lusa 24 de Outubro de 2021 às 19:41
João Gomes Cravinho, ministro da Defesa Nacional
João Gomes Cravinho, ministro da Defesa Nacional FOTO: Lusa
O ministro da Defesa afirmou este domingo que as Forças Armadas vão ser crescentemente chamadas a missões de apoio civil e sanitárias, que exigirão uma "resposta conjunta e integrada" e defendeu que é fundamental reavaliar a estratégia militar terrestre.

"No último ano e meio, a pandemia colocou o nosso país e o mundo em circunstâncias críticas que testaram até ao limite a capacidade de resiliência e adaptação dos nossos militares e da nossa organização. É com muito orgulho que posso afirmar que o exército respondeu a este desafio com enorme determinação, empenho, dinamismo, flexibilidade e pragmatismo", disse João Gomes Cravinho, durante a cerimónia militar nas comemorações do Dia do Exército, que decorreu hoje em Aveiro.

No seu discurso, o governante referiu que o Exército teve neste combate "um papel de excecional relevo", apontando como exemplos o contributo do laboratório militar em apoio ao Serviço Nacional de Saúde, a distribuição de centenas de milhar de refeições a pessoas em situação de sem abrigo na região de Lisboa e o acolhimento de doentes no centro de apoio militar e nas estruturas de retaguarda de Évora e Coimbra.

João Gomes Cravinho defendeu que é preciso estar preparado para combater futuras emergências sanitárias, afirmando que estas missões serão "crescentes" e "exigirão uma resposta essencialmente conjunta e integrada" das Forças Armadas.

Nesse sentido, considerou fundamental "continuar a reavaliar a estratégia militar terrestre e o dispositivo de forças do Exército, designadamente o seu modelo de apoio logístico", considerando "a crescente tendência de participação deste ramo em missões de apoio civil nacionais e internacionais".

O ministro da Defesa prometeu ainda continuar a trabalhar para uma "implementação rápida e eficaz" da reforma legislativa para alterar a estrutura superior das Forças Armadas, considerando que se trata de um "instrumento essencial no trabalho de adaptação das forças armadas a este mundo em mudança acelerada".

"A recente renovação do mandato do chefe do Estado-Maior do Exército representa o apreço por este trabalho de modernização que tem sido feito no Exército e a convicção de que é necessário continuar nesta senda agora no quadro de um novo ciclo", afirmou.

João Gomes Cravinho salientou ainda que apesar da pandemia, a missão de servir os compromissos externos de Portugal foi "plenamente mantida", tendo sido empenhados pelo Exército 919 militares nas forças nacionais destacadas em contextos de conflitualidade muito diversos, além do "elevado" empenhamento em território nacional com mais de 5.200 militares em missões de patrulhamento, vigilância e dissuasão nos incêndios rurais.

O ministro deu ainda conta do trabalho que tem sido feito para aumentar o recrutamento e retenção, adiantando que "algumas unidades que eram deficitárias ao nível de recursos humanos têm aumentado progressivamente os seus efetivos".

"Permanecemos plenamente empenhados em melhorar os incentivos para recrutar e reter talento nas forças armadas, garantindo os efetivos necessários às exigências atuais de um exercito profissional dotado de elevada prontidão e capacidade de resposta operacional", afirmou, adiantando que o investimento na modernização das capacidades do exército é outra prioridade permanente.

Durante todo o discurso, centenas de ex-paraquedistas vaiaram e pediram a demissão do ministro e do Chefe do Estado Maior do Exército, em protesto contra a alegada proibição de os militares no ativo cantarem o "Pátria Mãe", uma tradição dos paraquedistas, durante o desfile militar.

No final da cerimónia, a PSP identificou vários dos antigos militares que se encontravam no protesto.

Ver comentários