Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

NÃO SOU CANDIDATO A COISA NENHUMA

O Conselho da Internacional Socialista (IS), em Madrid, serviu de palco para o seu presidente, António Guterres, voltar a defender as suas ideias sobre a reforma dos sistemas de governação global. E se o combate ao unilateralismo move o antigo primeiro-ministro, já as presidenciais não lhe merecem muitos comentários. "Não sou candidato a coisa nenhuma, nem sequer candidato a candidato", esclareceu Guterres à margem do encontro.
8 de Fevereiro de 2004 às 00:00
Presidente da  IS, António Guterres, conversando com José Luís Zapatero, secretário-geral do PSOE
Presidente da IS, António Guterres, conversando com José Luís Zapatero, secretário-geral do PSOE FOTO: Alberto Martin/EPA
O ex-líder do PS quis dissipar especulações sobre a corrida a Belém para evitar qualquer tipo de pressões. Mais. Guterres garantiu que não tem "influência" no partido. Afinal, não quer ser uma espécie "de condutor no banco de trás, do vira à direita ou vira à esquerda". Assim, o ex-primeiro-ministro prefere falar sobre política externa e ganhar prestígio noutros palcos. Por isso, ontem voltou a condenar a arbitrariedade e iniciativas unilaterais na luta contra o terrorismo, numa alusão às posições iniciais dos Estados Unidos e dos seus aliados. O evento reuniu mais de 400 socialistas e convidados, entre eles o actual líder do PS, Ferro Rodrigues, o homólogo do PSOE, José Luís Zapatero e Felipe Gonzalez, histórico do partido no país vizinho. Curiosamente, ou talvez não, Tony Blair, o primeiro-ministro britânico, não esteve no encontro.
Na sua intervenção, Guterres insistiu que "o sistema de governação global está desactualizado" , mas sustentou que "isso não significa que se destrua e se opte por respostas unilaterais". E deu como exemplo a criação, no quadro da ONU, de um conselho económico para o desenvolvimento de uma organização mundial ambiental. "Hoje tudo é globalizado e também o terrorismo o é", frisou. Neste contexto, retomou a defesa, também feita pelo líder do PSOE, de um modelo de desenvolvimento que beneficie todos.
No encontro, o líder do PS enalteceu o facto da IS ter escolhido Madrid para dar um sinal de apoio ao PSOE nas legisltativas. Já quanto à vida interna do PS, Ferro classificou Sousa Franco como uma "boa cabeça", ironizando sobre os candidatos à liderança na lista às europeias. E nada mais acrescentou. Só em Março será desvendado 'o mistério'.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)