Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

“País fez o máximo possível para retirar portugueses do Cairo”

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros rejeitou críticas à operação de repatriamento de cidadãos portugueses provenientes do Cairo e frisou que esta quarta-feira mesmo se realizará um novo voo com destino ao Egipto.
2 de Fevereiro de 2011 às 15:14
"Portugal tomou uma iniciativa que muitos outros governos ainda não tomaram", diz Luís Amado
'Portugal tomou uma iniciativa que muitos outros governos ainda não tomaram', diz Luís Amado FOTO: Lusa

Luís Amado falava aos jornalistas a meio da ronda de audiências entre o primeiro-ministro, José Sócrates, e os partidos com representação parlamentar sobre a agenda da próxima cimeira europeia de chefes de Estado e de Governo. 

Nas suas declarações, o ministro dos Negócios Estrangeiros rejeitou em absoluto críticas à forma como o Estado Português está a proceder ao repatriamento de cidadãos nacionais a partir do Egipto.  

"Qualquer observador independente reconhece que, no contexto difícil em que o Estado Português atuou, foi mesmo assim capaz de dar resposta às solicitações apresentadas por parte dos cidadãos portugueses. Houve uma dificuldade na realização do voo na terça-feira, mas tal decorreu do caos que se instalou no aeroporto do Cairo e das dificuldades burocráticas para voos extraordinários. Para mais, o voo de terça-feira era de natureza militar", apontou o membro do Governo.  

Luís Amado lamentou depois que as críticas à actuação do Estado Português em contextos de caos na ordem interna de vários países assumam já um carácter repetitivo, mas sem correspondência com a realidade.  

"De forma alguma, não vejo que tivesse sido possível fazer mais do  que se fez num contexto muito difícil, mas já se tornou um hábito esse tipo de queixas e de reservas críticas em relação a actuações em teatros semelhantes",  disse.   

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, "é natural que em teatros como o egípcio haja sempre uma ou outra dificuldade, porque se tratam de situações de grande dificuldades com as quais as autoridades se confrontam". 

"Portugal tomou uma iniciativa que muitos outros governos ainda não tomaram. Decidimos enviar os nossos próprios meios militares, até pela garantia que nos dão de operacionalidade num contexto tão adverso", afirmou.  

De acordo com o membro do executivo, "hoje mesmo haverá a oportunidade de realizar um novo voo para que os portugueses que ainda queiram voltar possam fazê-lo".   

"Vamos ver se há necessidade de outro voo, mas neste último serão transportados cidadãos de outras nacionalidades que nos solicitaram para serem evacuados  do Cairo", observou.  

luís amado negócios estrangeiros governo portugal egipto cairo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)