Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Passos rejeita que Relvas tenha atacado imprensa

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, rejeitou neste domingo que o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares tenha "atacado a imprensa" na resposta ao jornal ‘Público’ e defendeu que "o Governo tem privilegiado muita transparência".
20 de Maio de 2012 às 17:45
O primeiro-ministro rejeitou, contudo, ter havido um ataque à imprensa por parte do ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares
O primeiro-ministro rejeitou, contudo, ter havido um ataque à imprensa por parte do ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares FOTO: Mário Cruz/Lusa

Em Chicago, Estados Unidos, à margem da Cimeira da NATO, Passos Coelho escusou-se a responder se Relvas tem condições para continuar no Governo, rejeitando falar sobre "questões de política interna" no estrangeiro.

O primeiro-ministro rejeitou, contudo, ter havido um ataque à imprensa por parte do ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares.

"Não há nenhum ataque a coisa nenhuma. Se há coisa que o governo tem privilegiado é muita transparência nesse aspecto", disse o primeiro-ministro, escusando-se a responder a mais questões sobre o assunto.

O conselho de redacção do ‘Público' afirmou na sexta-feira que Miguel Relvas, ameaçou queixar-se ao regulador do sector, promover um blackout de todos os ministros ao jornal diário e divulgar, na Internet, dados da vida privada de uma jornalista, se fosse publicada uma notícia sobre o caso das secretas.

A notícia, da autoria de Maria José Oliveira, pretendia evidenciar "as incongruências" das declarações do ministro, na terça-feira, no Parlamento, sobre o caso das secretas, mas acabou por não ser publicada.

Numa nota posterior, a direcção do jornal justificou a não publicação alegando não existir "matéria publicável", e garantia ainda que tinha tomado a decisão antes de conhecer as ameaças do ministro.

Mais tarde, o ‘Público' noticiou que Miguel Relvas pedira, nesse dia, desculpa ao jornal, depois de a direcção ter feito um protesto por "uma pressão" do governante sobre a jornalista que acompanha o caso das secretas.


O pedido de desculpas noticiado pelo jornal verificou-se no mesmo dia em que o gabinete de Miguel Relvas refutou a denúncia do conselho de redacção do ‘Público'.

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) anunciou que vai iniciar averiguações ao caso no início da próxima semana, revelando que recebeu "uma série de documentos" sobre o caso, enviados "por iniciativa própria" pelo ministro.

O PS anunciou que vai pedir a presença de Miguel Relvas no Parlamento para esclarecer o caso, enquanto os Verdes querem ouvir também a equipa do jornal.

O PCP considerou que, caso se confirmem as "alegadas pressões", Miguel Relvas "não tem condições para continuar a ser membro do Governo". Já o Bloco de Esquerda exigiu a clarificação do caso, sublinhando que não pode existir "opacidade" em relação à liberdade de imprensa.

Por seu lado, o PSD considerou que os media "não se deveriam colocar no papel da oposição ao Governo". Para o Sindicato dos Jornalistas, a confirmarem-se as ameaças e pressões imputadas ao ministro, este "deixaria de ter condições para se manter no Governo".

miguel relvas passos coelho público pressões media governo erc
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)