Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Paulo Portas junta casal diplomático

O ministro dos Negócios Estrangeiros nomeou a mulher do embaixador de Portugal em Washington, capital dos Estados Unidos, para número dois dessa representação externa portuguesa. O gabinete de Paulo Portas alega que a nomeação em comissão de serviço de Rosa Batoréu, que é casada com Nuno Brito, "foi proposta pela secretaria geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros ao ministro, que a aceitou."

5 de Fevereiro de 2012 às 01:00
O embaixador Nuno Brito e o ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas
O embaixador Nuno Brito e o ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas FOTO: Sérgio Lemos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros diz que a nomeação de Rosa Batoréu, ministra plenipotenciária de 1ª classe, "está de acordo com o espírito da lei, que, no artigo 45º do Estatuto da Carreira Diplomática, refere que "devem ser ponderados aspectos da vida pessoal dos funcionários, designadamente reunificação ou aproximação de familiares."

Só que, segundo apurou o CM, a nomeação de Rosa Batoréu causou algum mal-estar no meio diplomático, até porque a diplomata terá sido nomeada para a Embaixada de Portugal em Washington depois de ter desistido do concurso para um lugar nos serviços da Comissão Europeia.

O porta-voz da Embaixada de Portugal em Washington confirmou que Rosa Batoréu "concorreu a um cargo na própria Comissão Europeia e ganhou." Carneiro Jacinto assegurou que a diplomata "desistiu [do cargo] porque financeiramente era muito mau e não lhe tinha sido explicado quanto ia ganhar." Rosa Batoréu já está a exercer funções de número dois na Embaixada de Portugal em Washington. O gabinete do ministro diz que "a diplomata, cujo mérito profissional e o percurso são unanimemente reconhecidos, desempenha funções de representante de Portugal junto da OEA [Organização dos Estados Americanos]", sediada naquela cidade.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante ainda que situações como esta são frequentes na diplomacia.

NOMEAÇÃO GERA POUPANÇAS EM SUBSÍDIOS

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante que a nomeação de Rosa Batoréu para a mesma embaixada onde está colocado o marido, em Washington, permite uma poupança financeira significativa.

Desde logo, segundo o gabinete de Paulo Portas, "aquela diplomata não recebe subsídio de habitação nem outros abonos a que teria direito, caso não se encontrasse destacada na mesma cidade do cônjuge." Só que não diz qual é a poupança resultante dessa nomeação.

MINISTRO NEGÓCIOS ESTRANGEIROS PAULO PORTAS NUNO BRITO
Ver comentários