Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Pedro Ramos de Almeida morre aos 80 anos

Pedro Ramos de Almeida, escritor e ex-dirigente do PCP, morreu este domingo, aos 80 anos, vítima de insuficiência respiratória, depois de ter sido internado há semanas no Hospital Pulido Valente, em Lisboa.
22 de Julho de 2012 às 12:36
Pedro Ramos de Almeida regressou do exílio em 1971 e continuou a fazer oposição ao Estado Novo
Pedro Ramos de Almeida regressou do exílio em 1971 e continuou a fazer oposição ao Estado Novo FOTO: D.R.

Nascido em Lisboa em 1932, licenciado em Direito e opositor do Estado Novo, integrou o Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUD Juvenil) desde os 18 anos, sendo submetido à tortura do sono pela PIDE e condenado a quatro anos de prisão.

Foi dirigente do PCP e viveu no exílio em Paris, Praga e Argel nas décadas de 50 e 60. Foi um dos responsáveis da rádio Voz da Liberdade, que emitia para Portugal a partir de Argel, enquanto representante dos comunistas na Frente Patriótica de Libertação Nacional.

Regressou a Portugal em 1971, quando o advogado Abranches Ferrão, seu padrasto, obteve a garantia de que não haveria processos contra ele. Continuou a fazer oposição ao Estado Novo, integrando o MDP/CDE.

Pedro Ramos de Almeida deixa a mulher, Manuela Barreto, e os dois filhos, os jornalistas João Ramos de Almeida e Nuno Ramos de Almeida.

Pedro Ramos de Almeida PCP MDP Estado Novo Abranches Ferrão Argel PIDE
Ver comentários