Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
8

Pedrógão Grande penaliza Costa e poupa Governo

Primeiro-ministro cai dois pontos na avaliação aos líderes.
Diana Ramos 15 de Julho de 2017 às 01:30
António Costa
António Costa
António Costa
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
António Costa
António Costa
António Costa
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
António Costa
António Costa
António Costa
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
Pedro Passos Coelho
Se as eleições fossem hoje, os portugueses escolhiam o PS para governar. Quase um mês depois do incêndio de Pedrógão Grande, que vitimou 64 pessoas, os socialistas continuam a recolher a preferência dos inquiridos na sondagem CM/Aximage, reforçando até as intenções de voto face ao mês anterior, mas a popularidade do primeiro-ministro sai penalizada após a tragédia.

O barómetro mostra que os socialistas recolhem 44% das intenções de voto, mantendo a tendência de subida dos últimos meses, enquanto os sociais-democratas continuam a afundar: se os portugueses fossem às urnas, o partido de Passos Coelho recolhia 22,9% dos votos. A abstenção está nos 34,2%.

Na avaliação aos líderes dos principais partidos políticos, António Costa dá uma queda de dois pontos entre junho e julho: cai de uma nota de 15,6 valores para 13,1. Também Catarina Martins, coordenadora do BE, vê a avaliação cair de 11,8 pontos para 10,6, o que representa uma descida de mais de um ponto. E tanto Passos Coelho, líder do PSD, como Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, recuam meio ponto. Só Assunção Cristas, do CDS, sobe ligeiramente.

Quando questionados diretamente sobre a tragédia de há cerca de um mês, os inquiridos elogiam de forma destacada o papel do Presidente da República: 76,7% acreditam que Marcelo Rebelo de Sousa esteve muito bem nas aparições públicas. Já em relação à atuação de António Costa, as opiniões dividem-se: 37% aplaudem e outros tantos dizem que esteve assim-assim. O mesmo acontece em relação à ministra da Administração Interna. Para 29,9%, Constança Urbano de Sousa desempenhou mal as funções e 38% dizem que esteve bem. Os bombeiros também veem o seu papel reconhecido com destaque, tal como a GNR, mas para 44,1% a Proteção Civil esteve mal no terreno.

Quanto ao roubo de armas de Tancos, outro tema polémico do último mês, 60,5% dos inquiridos da sondagem CM/Aximage acreditam que a responsabilidade é dos comandantes militares, 16,9% responsabilizam o Chefe do Estado-Maior do Exército e 13,6% apontam o dedo ao ministro Azeredo Lopes.

"Momento mais difícil" sem ganhos para a oposição 
Já foi descrito como o "momento mais difícil" do Governo, mas a oposição não ganhou fôlego.

Passos Coelho, que abordou os suicídios dias após a tragédia de Pedrógão, é visto como tendo uma atuação má por 60,2% dos inquiridos questionados sobre o incêndio.

Assunção Cristas, que pediu demissões, esteve mal para 44,7%.

Remodelação não é essencial mas Constança lidera 
A sondagem CM/Aximage mostra que para mais de metade dos inquiridos (56,1%) o primeiro-ministro não deve remodelar o Governo. Há 38% de portugueses que consideram necessária uma mexida no elenco ministerial.

Entre os que defendem a remodelação, 21,4% – um em cada cinco – dizem que a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, deve abandonar a pasta.

Outros 17,7% apontam o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, como governante a substituir. E no 3º lugar aparece Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, que viu ser aberta uma polémica por causa dos exames.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)