Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Primeiro-ministro: 2012 "ano de viragem económica para o país"

O primeiro-ministro apontou esta sexta-feira 2012 como "um ano de viragem económica para o país", sublinhando que se mostrará aos portugueses que os sacrifícios que estão a fazer "não serão em vão".
6 de Janeiro de 2012 às 11:03
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, durante o debate quinzenal sobre o tema "políticas sociais e económicas", na Assembleia da República
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, durante o debate quinzenal sobre o tema 'políticas sociais e económicas', na Assembleia da República FOTO: TIAGO PETINGA / LUSA

"Vamos ter um ano de grandes exigências, mas que será também um ano de viragem económica para o país, é aquilo em que o Governo e também eu próprio firmemente acreditamos", afirmou o chefe do executivo, na abertura do debate quinzenal na Assembleia da República.

Começando por se dirigir à câmara para desejar um Bom Ano, naquela que foi a sua primeira intervenção parlamentar de 2012, Passos Coelho sustentou que o ano que agora teve início será um ano de viragem, durante o qual o país mostrará que cumpre as suas obrigações.

Além disso, acrescentou, será também o ano em que se mostrará aos portugueses que "os seus sacrifícios não serão em vão" e têm como consequência "restaurar a credibilidade e a confiança externa do país e ao mesmo tempo lançar as condições saudáveis para o crescimento no futuro".

Passos Coelho ressalvou, contudo, que tudo isso depende da forma como será executado o Orçamento e da manutenção da vontade de levar até ao fim as reformas estruturais que são necessárias.

A este propósito, o primeiro-ministro notou a responsabilidade do Parlamento no acompanhamento e, em alguns casos, na aprovação dessas mesmas reformas estruturais.

Antes da intervenção do chefe do executivo, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, partido que abriu esta manhã de sexta-feira o primeiro debate quinzenal com o primeiro-ministro no Parlamento de 2012, falou também da necessidade de Portugal cumprir os compromissos que assumiu com a ‘troika', deixando uma crítica indirecta ao PS.

"Parece que afinal agora voltaram à tese que não há problema nenhum e podemos de alguma forma aligeirar aquilo que é uma obrigação essencial de um Estado", disse, depois de recordar que muitos dos que "falam que a solução é não pagar, não cumprir ou cumprir mas renegociar", "esquecem-se que são precisamente aqueles que há um ano diziam que não existia problema nenhum" e, três meses depois, pediam assistência financeira.  

Na sua intervenção, Nuno Magalhães destacou ainda o facto de esta semana Portugal ter conseguido "ir aos mercados, colocar dívida, ter procura e ter a mais baixa taxa de juros de sempre desde que está sujeito ao programa de assistência".

O líder parlamentar do CDS-PP levou também ao debate a nova Lei do Arrendamento, assinalando que se trata de uma "uma reforma necessária, por muitos e durante muito tempo prometida, por outros anunciada, por alguns até tentada, mas nunca conseguida e permanentemente adiada", e deixando elogios ao "ímpeto reformador" do executivo de maioria PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho.

"É uma reforma feita para todas as pessoas, uma lei que favorece as pessoas", corroborou o primeiro-ministro.

Debate Passos Coelho Parlamento Nuno Magalhães
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)