Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

PROCURADORIA ANALISA ELEIÇÕES EM LISBOA

A Procuradoria-Geral da República (PGR) está a analisar suspeitas de irregularidades no apuramento dos votos das eleições autárquicas em Lisboa, onde se verificaram grandes discrepâncias entre os resultados provisórios e os definitivos, conforme adiantou à Lusa fonte oficial da instituição.
12 de Junho de 2002 às 13:54
PROCURADORIA ANALISA ELEIÇÕES EM LISBOA
PROCURADORIA ANALISA ELEIÇÕES EM LISBOA
Além de atribuírem mais 870 votos a Santana Lopes, duplicando a margem de vitória sobre João Soares, os resultados oficiais definitivos, apurados cinco dias depois da noite eleitoral de 16 de Dezembro, consagram números diferentes de eleitores inscritos para a câmara e para a assembleia municipal. Nesse sentido fonte oficial da PGR explicou à Lusa que a análise da informação está a ser feita desde Março.

Em causa, está o número de inscritos que aumentou entre o dia das eleições e o apuramento geral para 568.267 (mais 400) na Assembleia Municipal e para 568.087 (mais 220) na Câmara. Ou seja, Santana Lopes, ganhou com a vantagem de 856 na corrida à presidência da câmara, e, para a Assembleia Municipal, a vitória foi da coligação encabeçada por João Amaral, com mais 5.395 votos.

Para a Câmara, a Assembleia de Apuramento retirou à coligação de esquerda 911 votos e 41 à candidatura de Santana Lopes, atribuindo-lhe a vitória por 1.726 votos, mais do dobro dos resultados provisórios da noite das eleições (870 votos).
No entanto, se Santana perdesse esses 870 votos entre a noite eleitoral de 16 de Dezembro e o apuramento definitivo do resultado (cinco dias depois) ficaria a saber, que, afinal, tinha perdido por 14 votos ... e João Soares seria presidente.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)