Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

PS e PSD trocam acusações sobre perguntas a Sócrates

Manuel Seabra, do PS, pediu a Mota Amaral que limite as questões a enviar a José Sócrates ao “objecto da comissão de inquérito” que, para o deputado socialista, se prende com a interferência do Governo no negócio entre a PT e a TVI e apurar de o primeiro-ministro “faltou à verdade no dia 24 de Junho” quando disse desconhecer o negócio.
4 de Maio de 2010 às 18:15
O primeiro-ministro, José S
O primeiro-ministro, José S FOTO: d.r.

As críticas surgiram depois dos vários grupos parlamentares terem apresentado os seus questionários que, no total, somam 110 perguntas. Só o PSD apresenta 50 questões.

Para Manuel Seabra as tentativas de prorrogar o prazo da comissão e algumas das questões colocadas pelo PSD têm como objectivo “queimar em lume brando o nome do primeiro-ministro”. “As perguntas sobre linhas editoriais de telejornais, sobre a suspensão de telejornais são perguntas excêntricas face ao objecto da comissão. É uma cortina de fumo”.

Em resposta, Agostinho Branquinho, do PSD, disse que o PS quer filtrar as questões a enviar a José Sócrates. “Esta comissão tem o direito de colocar todas e quaisqueres perguntas que entenda que possam ser utéis. Qualquer tentativa, por mais pequena que seja, de pôr em causa esse direito, de pôr limites, filtrar, condicionar, censurar perguntas será por nos contrariada”.

PCP e CDS também se manifestaram contra a intervenção do deputado Manuel Seabra.

Ver comentários